quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Niver do Pai

- Bem, estou com vontade de comer doce. Posso comer seu bolo?
- Só se você vier aqui e assoprar a minha vela!


Entra ano e sai ano e ele não muda.
Desbocado, desbaratinado, bon vivant. E houve quem dissesse que ele não chegaria nos 60. Não só chegou como ultrapassou.
Meia-três, negada. Colocando muitos no chinelo.

Meu Pai, meu herói, meu amor.



Carnavaliando...

Dias muito bem aproveitados, assim foi meu Carnaval. Fui aos blocos de rua de São Paulo, desfilei pela primeira vez no Anhembi de fantasia e tudo, curti uma segunda super gostosa na companhia das amigas e, pra finalizar, peguei um cineminha com meu amor (Tintim em 3D). 
Ouvi muitas marchinhas, usei chapéu e peruca colorida e sorri. Mais do que isso, eu tenho deixado a vida sorrir para mim. Mesmo com os "poréns", me sinto vivendo uma das melhores fases da minha vida: família unida, trabalho indo bem, boas pessoas por perto e um namorado pra lá de maravilhoso me cercam. Eu não tenho mais reclamado como antes (só o São Paulo é capaz de me tirar do sério) e levo minha vida numa boa. 

Vejo por aí tanta gente bonita e com capacidade de viver melhor a vida e me entristeço. Gente que se preocupa com pequenezas, que nutre sentimentos ruins, de posse, pessoas que vivem cansadas, com preguiça de se cuidar... Reclamar é fácil, ô se é! Criticar e apontar o dedo pros outros também. Difícil é parar e organizar a vida, olhar pro próprio rabo e se conscientizar que é preciso mudar pra crescer. 

A rotina do dia a dia não é fácil pra ninguém, mas a vida nos dá diversas oportunidades para transformar um dia comum em uma data marcante.
Eu vivi um maravilhoso Carnaval e quero que meus dias sigam essa mesma pegada. A vida sorri para quem retribui.



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Barça! Barça! Baaaaaaaaaaaaaaaaaaaarça!

Quando o trem saiu chegou em Barcelona e eu pisei em solo espanhol, o calorão subiu pelo corpo todo. A Espanha, especialmente Barça, foi o trecho mais quente de nossa viagem. Um sol ardido, senegalês nos acompanhou nos três dias que ficamos pela capital. Pouquíssimos dias, aliás. Se eu soubesse que ia amar tanto Barcelona assim, eu perderia uns cinco dias por lá, fácil. Bom, meta para a próxima trip...

Bom, pra começar, ficamos em um hotel MARA, de frente para a praia, chamado Rafael Hoteles Diagonal Port. Banheira, vista incrível, wi-fi com cabo de internet e espaçoso. O café da manhã era incrível e eu me esbaldava!

Logo de cara fomos conhecer a praia em que estávamos. Tudo bem que eu não sei o nome, mas ela era linda. O sol estava a pino, a areia é limpa, ela era desertinha, tinha alguns quiosques onde muitos iam tomar café e ler jornal. A praia tem rampas e ciclovias para a prática de esportes de esportes, como andar de skate, bike, caminhadas e etc... Linda mesmo! Usei até o banheiro do quiosque e ele estava super ok, com papel higiênico e tudo mais.

Andar pelas ruas de Barça é maravilhoso. Em muitas janelinhas é possível ver a bandeira do time da cidade asteada. Como chegamos pela manhã e o check-in só começava às 14h, resolvemos sair para conhecer um pouco do local. Depois da praia, decidimos ir até o Parque Guell, o parque de Gaudí, mas o caminho era muito complicado. Mudamos a rota e fomos conhecer a Sagrada Família. Antes de tudo, pausa para lamecar a cara de protetor solar pq o sol forte castigava.

A fila da Sagrada Família era imensa, debaixo daquela lua. Bruno estava pedindo arrego e eu fui enfrentar a fila, mas ao saber que não aceitava cartão, desistimos de entrar na igreja. Saímos com pouco dinheiro e não ia dar para pagar. Uma pena! Uma das minhas tristezas foi não ter conhecido a igreja de Gaudí por dentro.

Muitos andaimes decoravam a parte externa do lugar, internamente deveria ser a mesma coisa, mas eu queria ter entrado. Fica aqui mais um pretexto para voltar pra Barça.

Almoçamos num restaurantezinho lá perto. O menu completo do almoço com entrada, prato principal, sobremesa e bebida, saia por nove euros. Era tipo um PF da Europa. Foi aí que Bruno conheceu o gaspacho (uma sopa gelada a base de tomates) e se apaixonou.

Nesse mesmo dia, mais tarde, conhecemos o Mercado La Boqueria, que segue a linha do nosso Mercado Municipal. Foi muito legal esse passeio. Um dos atrativos deste mercado são os sucos, vendidos em qualquer barraquinha com um preço bacana. Os sabores eram dos mais variados: coco com framboesa, laranja com uva e por aí vai... Nos acabamos! Tomei tanto suco que meia hora depois estava quase vomitando na Praça da Catalunha - que aliás é lindíssima!


Passear pela La Rambla de Barcelona é maravilhoso. A rua está repleta de restaurantes, pessoas, barraquinhas, mímicos e etc... Tudo isso à noite então, é lindo demais!


No dia seguinte, o tour foi grande. Visitamos a Catedral de Barcelona, estilo gótico, belíssima! Na porta, umas tiazinhas malandras já estão de prontidão, vendendo xales a um euro por que sabem que as mulheres que chegarem vestindo blusas regatas e decotadas irão precisar se cobrir para entrar no local. Eu fui uma delas. Fuén!

De lá, seguimos para La Pedrera (ou Casa Milà), um edifício magnífico construído por Gaudí (sempre ele!) e que é parte do Patrimônio Mundial da UNESCO. Incrível. Gaudí é genial. A fachada com ferros destorcidos e as chaminés que estão na "laje" na casa imitam bonecos. Os azulejos que cobrem cada escultura também são um charme a parte.

Ah, não posso esquecer de dar essa dica pra vocês, minhas leitoras, amigas: na frente da Casa Milà existe uma lojinha chamada SHANA. O nome é bem sugestivo, né? Pois bem, lá dentro estão roupas bacanas, incríveis, lindas e... BARATAS!!!!!!!!! BARATÍSSIMAS, eu diria.
Batons por um euro, blusinhas por quatro euros, sapatos por dez euros, bolsinhas de mão por quatro euros, lenços por dois euros... enfim, gente. PIREI!!!!!!!! Comprei coisinhas pras amigas e pra mim, claro. Até relógio de dois euros eu levei pra casa.

De lá, almoçamos em um restô beeeem bacanudo com comida boa, menu completo e preço acessível. Uma pena eu não lembrar o nome do lugar, mas fica bem pertinho da Casa Milà. Ar condicionado, comida boa, atendimento bacana. Adorei!

Depois conhecemos o Parque Guell, um parque urbano construído por quem??? GAUDÍ, óbvio! Patrimônio da Hunanidade, o lugar é sensacional, amplo, cheio de contrastes entre texturas, cores e materiais de construção. Ele mistura tudo, cara!

À noite, comemos um lanchinho na praia e a lua, gigante, laranja, brilhava pra nós. Que cena linda!

No dia seguinte já iríamos partir. Nosso trem estava marcado para sair às 16h, então fomos aproveitar o dia. Eu precisava conhecer o estádio do Barcelona, o Camp Nou, é claro! Beem caro pra entrar, mas vale cada centavo. Conhecemos toda a história do clube e toda a estrutura. Passeamos pela arquibancada, pela beira do gramado, entramos no vestiário, na sala de imprensa, enfim... em todo lugar! Eu amei aquilo.
Saímos de lá em cima da hora para pegar o trem que nos levaria a Madrid.

Barcelona é tão linda, tão quente, tão cheia de coisas pra fazer, que deixou um gostinho de quero mais. O Castelo de Montejuic que estava em nossos planos também não deu pra conhecer.

A terra de Gaudí é deliciosamente linda. Beem melhor que Madrid (conto no próximo post).


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Meus 29 anos...

Dia vinte e sete de janeiro de dois mil e doze. Vinte e nove anos.

O dia do meu aniversário foi chuvoso e feio, mas não me entristeceu. Nem tive inferno astral, gente. 

Ganhei flores e chocolates da Mazé....



Almocei com as amigas do trabalho...


Soprei o "bolo"...

Montmartre estava comigo....


E as pessoas mais importantes da minha vida também.


SAÚDE e FELICIDADE!

"E aos 29 com retorno de Saturno decidi começar a viver..."