sexta-feira, 23 de abril de 2010

AQUI É TRABALHO, MEU FILHO!

Eis que recebo o seguinte e-mail no trabalho:

"Oi Robertinha, vc está com suas figurinhas repetidas com vc? Leve na reunião de agora à tarde que levo as do meu filho para trocar com vc. rs, rs, rs......

até lá.

abs."


Sabe o que é isso, né?! Sinal que eu sou uma SEM MORAL!

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Muita gente me acha fresca, chata, mimada e reclamona. Acho mesmo que eu sou tudo isso aí. Mas, fazer o que se eu fui criada a base de SUSTAGEM, DANONINHO e BOLACHA MAIS MAIS?
Que culpa tenho eu se meu almoço era feito separadamente, se meu arroz não tinha cebola , se meu macarrão não levava molho e meu omelete era só feito de queijo. Eu poderia almoçar bolinhas de queijo, chikenitos, quibinhos e pastéizinhos.
Fui criada no lema “Não gostou? Então não come!”, simples assim. Sempre ganhei mimos, carinhos e afagos. Bolo Pullman, bisnaguinha, Toddynho e Bis. Pão com requeijão (mesmo que eu queira comer só o miolo), sorvete, Danete e nózinho.
Portanto, não me culpem de ser fresca, chata, mimada e reclamona. Eu tenho é berço!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Eu me vacinei e é verdade!

Não me perguntei como e pq, mas o fato é que eu tive a idéia estapafúrdia de tomar a vacina contra a Influenza H1N1 ontem. A Júlia lá do escritório teve a brilhante idéia de pesquisar se tinha algum Posto de Saúde perto do nosso trabalho e infelizmente achou um.

- Vamos tomar a vacina, gente? - disse a Júlia
- Peraí, quando? - respondi perplexa
- Hoje. É aqui perto, vamos lá?
- Não, calma... não é assim. Que tal amanhã?
-Tá, pode ser. Vamos deixar marcado e não vamos mais falar sobre o assunto - finalizou a Julia, tão cagona quanto eu
- Beleza!

E ficou assim. Tudo combinado, nada resolvido e sem ninguém tocar no assunto.

Voltei pra casa e no dia seguinte (ontem, terça-feira) enquanto me trocava lembrei desse nosso compromisso agradável. Mas nem dei muita atenção, afinal, se eu decidisse não ir mais eu desmarcaria e pronto. Já foi o tempo em que me levavam arrastada para tomar injeção no Odair e em qualquer outro lugar.

Cheguei na firma e todo mundo falando da vacina. "É hoje, hein?", soltou a minha querida amiga espírito de porco com um sorriso nervoso no rosto. Pensei comigo: "Opa, é hoje mesmo que eu vou dar o Pelé Eterno nessa vacina".

Bom, combinamos que iríamos perto da hora do almoço, assim, faríamos as duas coisas de uma só vez. O Bruno também decidiu ir, achei ótimo ter um homem por perto para segurar eu e a Júlia na hora do desmaio e tudo mais quando o menino me lança "Eu também tenho medo de agulha!". Socorro, Brasil! Quem vai me abanar na hora da tontura?

Eu só sei que o horário combinado foi adiantado em quase duas horas pq o Bruno tinha uma reunião que iria começar às 13h, portanto, umas 11h30, lá fomos nós rumo ao Posto de Saúde. A Bárbara que trabalha no RH também foi com a gente e afirmou ser bunda mole também. Cacete, viu?! Fomos os quatro, morrendo de medo, mas fomos.

Por falar em medo, eu o classifico em etapas nessas horas de aflição. Na primeira etapa você tem que ter a coragem de decidir tomar a vacina e depois vem as outras fases que eu vou narrar já já.

Chegando lá, uma fila gigaaaaa. Um monte de gente esperando ser vacinado debaixo daquele sol de meu Deus. Etapa 2 do medo: enfrentar a recepecionista e aguardar na fila.
Aquela ansiedade vai crescendo conforme a fila vai andando. Aí você não consegue parar quieta e não deixa ninguém triscar no seu braço pq já sente a dor.
Aí eu saí um pouco da fila e fui ver como era o lugar que a galera estava sendo picada. Nossa, uma salinha pequena, obscura e assustadora era o lugar do abate (mentira gente, era uma sala normal). Etapa 3 do medo: Conhecer o local onde você tomará a injeção.
E a fila andando, andando... E as pessoas iam saindo, segurando um algodão em cima da picada e nóis íamos questionando: "Doeu, moço?", "É ruim, moça?", tipo uma pesquisa.
Chegou uma hora, quando estava quase chegando a nossa vez, o meu siricutico começou a crescer gradativamente. Etapa 4 do medo: Ser forte e não desistir.
Minhas mãos e pés começaram a suar, meu coração batia a mil por hora e eu já sentia que ia peidar na tanga.
Bom, eu saí do escritório dizendo que seria a primeira a tomar a vacina. Chegou na hora, eu cedi meu lugar pra Bárbara. Mas só, depois dela, eu entrei na salinha. Etapa 5 do medo: Engolir o choro e parar de chamar pela sua mãe.
Eu sei que cheguei lá falando que eu tinha muito medo e demonstrando pavor. E pra ninguém ver a minha cena patética, eu fui até a porta e fechei-a na cara dos meus colegas de trabalho.

Olhei pra enfermeira e comecei:
- Moça, eu tenho muito medo!
- Sério? Mas é rapidinho
- Eu sei, mas eu passo mal
- Tenta se acalmar
- Ai moça, não consigo
- OLHA, ENTÃO VÊ O QUE É MELHOR PRÁ VOCÊ. SE NÃO QUER TOMAR, NÃO TOMA!

Tomou, trouxa? Podia dormir sem essa. Última etapa do medo: Relaxa o bracinho, fecha os olhinhos e se entrega.
Depois disso eu dei o braço e... é goooooooooooooool, que felicidadeeee!
Foi suuper rápido e nem doeu nada mas a tontura veio mesmo assim. A pressão caiu, eu fiquei pálida, comecei a suar e abaixar minha cabeça pro sangue circular. Todo mundo veio me acudir, até a Júlia, cagona estava lá, em pé, firme e forte me olhando com aqueles zóião verde.
Jesus me abana daqui, segurem minha bolsa de lá, forcem a minha cabeça e me tragam água. Fui me recompondo, voltando à minha cor branca habitual. Quando olho para o lado, me deparo com uma menina que está fazendo o mesmo ritual que o meu. E detalhe: ela nem tinha tomado a vacina ainda (tadinha!).
Aí a Júlia, com o intuito de me alegrar solta em alto e bom som a seguinte frase:
- Pôxa Rô, você tá bem melhor que ela. Olha a cara da menina, tá beeem mais branca que você.

Desnecessário, né?!
Bom, depois de todo esse auê fomos almoçar. Eu, toda feliz e saltitante por ter enfrentado o meu medo e tomado a vacina, o Bruno se achando o maior dos corajosos pq pode comprovar que tem gente pior que ele, a Bárbara tranquila, de boa e a Júlia reclamando que não acreditava que tido tomado a injeção, que tinha doído e que o braço dela estava doendo muito.
Eu passei o dia contando essa minha façanha pras pessoas. Liguei pro meu pai e pedi presente por ter tomado injeção e ele disse que iria me comprar figurinhas.

Enfim, passou. À noite, meu braço começou a doer. Sério mesmo. Eu sentia o líquido circulando pelo meu corpo. Na hora de dormir, não conseguia. Não achava uma posição confortável, mas peguei no sono.
Quando acordei, mandei um torpedo pra Júlia: "Jú, como vc tá? Meu braço doeu a noite e foi ruim pra dormir. Agora estou um pouco melhor". E ela me respondeu: "O meu também. E ainda tá doendo. Não pára!"
Hahaha, dei risada. Imaginei a Júlia, alta, linda, com aquela voz igual a da Luciana Gimenez falando isso perto de mim.
Definitivamente, o melhor disso tudo não foi ter encarado a vacina, foi ter a Júlia ao meu lado, pegando meu RG e entregando pra recepcionista, me convencendo a ir ao PS e me incentivando a não desistir, me empurrando sutilmente pra salinha obscura e me divertindo deveras. Ganhei uma ótima companheira de aventuras \o/

terça-feira, 20 de abril de 2010

Multada


A primeira multa a gente nunca esquece.
Ainda mais quando você é multada às 17h32 de um sábado de sol.
Quem é o fdp que está na rua canetando a galera nesse dia e horário?
Pois é, eu fui a felizarda. E detalhe: saí da Serra de Bragança – onde estava estacionado o meu Possível, prejudicando o embarque o desembarque dos passageiros de ônibus – e fui para um bar na Tobias Barreto. Nem vi o tal papel lá, preso no meu pára-brisa.
Na hora em que saí do Bar do Gaúcho dá o cu e fala tche, já era quase meia-noite, foi aí que vi o papel lá, descrito com a minha infração, vejam só...
Fiquei triste. Não queria atrapalhar o embarque e desembarque dos passageiros do busão, logo eu, que sempre usei o Mercedão, né?! E queria menos ainda gastar dinheiro e levar pontos na carteira.
Mas só de pensar que muitas outras ainda virão, fico mais sossegada!

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Lembranças aleatórias

Ontem foi dia de ver o Tricolor levar uma SACOLADA do Santos ir para o bar com a amiga recém solteira. Um rolezinho só pra descontrair...
No caminho, encontramos um brother nosso de MILIANOS. Paramos em um lugarzinho e eu, a Toiça e o Gusta tomamos umas brejas, beliscamos umas porções e batemos papo a tarde toda.
Eis que o amigo desenterra o diálogo mais engraçado da face da Terra que eu já tinha até esquecido que tinha vivido essa fase:

- Ow, lembra quando vocês duas falavam assim pra mim: “E aí Gustavo, você não tem nenhum amigo cabeludo pra apresentar pra gente?”

Vergonha, né?!
Gente, pelo amor. Me dá um saco do Sonda pra eu enfiar minha cabeça, dá!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Mina Mano

CENA 1:

Chego no trabalho, sento na minha mesa, ligo o computador. Nisso, chega o Bruno (o nutricionista da franquia) e me olha espantado e sorrindo:

- Olha a Rôôôô, tá vestida de mocinha hoje! Nossa, a Rô de mocinha...

Tipo que eu tava com uma camisa azul (quase igual de cobrador de ônibus), calça jeans risca de giz e um sapato azul marinho. E eu tava mo-ci-nha! Se isso for o mais mocinha que eu puder ser, tô fudida.
Gente, o cara se espantou de me ver assim pq? O que ele quis dizer com isso?
Ai, será que eu sou muito moleque? Preocupei.

**
CENA 2:

- Oi moço, você tem o álbum de figurinhas da Copa?
- Tenho sim
- Ah, que máximo! Me dá um álbum e vinte reais de figurinhas
- Claro!

Abre a bolsa, pega o dinheiro e solta:

- Nossa, vou falir de tanto comprar figurinhas
- Hahaha, imagino! E pra quem é o álbum, pro filhão ou pro maridão?
- É PRA MIM, MOÇO... VÊ SE PODE?!?!?!

Eu falei o "vê se pode" só pra dar uma quebrada no gelo. Tive que mostrar pro jornaleiro que sim, concordava com ele e achava mesmo estranho uma menina comprar um álbum e suas figurinhas tão feliz e contente.

É então.
Como eu dizia: será que eu sou muito moleque? Preocupei ao quadrado.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Bobagens do amor

Vejo mocinhas que tem foto com o namorado no display do celular e acho meigo, bonitinho e tudo mais. Aí eu olho pro meu celular pra fazer um comparativo e o que eu vejo? Uma foto do estádio do Morumbi, todo lindo e iluminado daquele jeito que só ele é. Me dá uma alegria por dentro!

E depois, quando o namorado liga, as mocinhas gravam o nome do queridão com o nick de “Amor”, “Lindo”, “Tchuc-tchuc da Mamãe” ou então “Vida”.
Meu, não existe nada mais brega do que chamar a pessoa amada de “Vida”. Vocês tem noção do que é Vida? Nossa, eu acho de foder!
E o meu pai que chama a mulher dele de Bebe, então?! Mas meu pai tem créditos, né, gente?! Figurinha carimbada!

Quando meu mino me liga, aparece o nome dele no display: Bruno Folli. Pq é assim que ele se chama e pronto!

**

E em outro dia de pura carência afetiva, interroguei o Bruno Folli. Perguntei se ele seria capaz de me trair em alguma ocasião dessa vida. Ele, muito convicto respondeu:

- Imagina amor! Você é a minha preferida. Tipo o pastel de palmito que eu como todos os domingos na feira. É insubstituível. Não troco por nada!

Poxa, fiquei mega feliz com a comparação. Sim, pq o Bruno só come pastel de palmito, meeesmo. Todo santo domingo ele pede sempre o mesmo sabor na barraquinha dos japoneses. Quer elogio melhor que esse?

Mas ontem fui pega de surpresa. Fui na barraquinha ao lado comprar caldo de cana e quando volto para a barraca do pastel, está ele me olhando com aquela expressão serelepe.
Pessoal, ontem ele comeu pastel de CARNE. Isso mesmo. Ele mudou o sabor e ainda por cima escolheu CARNE.
Eu estou passada! Reflitam sobre isso e me digam o que acharam...

quinta-feira, 8 de abril de 2010

1 ano do Meu Querido Diário!

Quem nunca usou um caderninho para desabafar nessa vida que atire a primeira pedra! Ainda mais as menininhas rosadinhas e apaixonadinhas de plantão.

Na minha aborrecência, eu não fazia diário e sim agenda. Cada ano tinha uma diferente e todos os dias eu detalhava a minha rotina para quem quisesse ler (ok que quase ninguém lia, só as amigas mais chegadas pq a parada era confidencial!). Recortava revistas e colava as frases mais bacanas que ia achando na agenda com o propósito de enfeitar meus dias. Escrevia de canetas coloridas, colava fotos dos machos da novela (adorava o Ralado da novela Quatro por Quatro), adesivos e guardava as mais diversas tranqueiras: canudinho, palito de sorvete, guardanapo, papel de bala e etc... Acho que aquilo ali tava mais para lixeira em forma de agenda do que qualquer outra coisa.
Tinha um medo de perder aquilo ou então de deixar vazar meus segredos e por isso, muitas vezes escrevia em códigos. Criava um símbolo diferente para cada letra do alfabeto e assim ia escrevendo tudo aquilo que era só pra eu decifrar.
Era uma época boa, sem maldade no coração e sem preocupação, quer dizer, a maior das preocupações era a possibilidade de descobrirem que eu colei na prova, que estava puta da vida com a minha mãe ou então que eu estava apaixonada pelo Marcel da outra sexta série. Só isso. E eu cagava de medo de descobrirem. Vai entender...

Nem sei se existe alguma menininha rosadinha e apaixonadinha que tenha esse hábito hoje em dia. Acho que até mesmo a prática de brincar na rua foi abolida da raça humana. Nunca vejo crianças jogando taco, futebol, vôlei ou pulando amarelinha por aí. A pivetada tá tudo trancada em suas casas. Ou brincam no pátio do prédio ou estão no vídeo-game e no computador. A realidade é essa e o azar é todo deles, na minha humilde opinião.

Bom, escrevi tudo isso pra falar que já faz um bom tempo que não sou mais adepta das agendas, mas que neste último ano publiquei tudo e mais um pouco sobre a minha vida, pra quem quiser ver (e ler) neste espaço da internerds. Quer dizer, eu dei uma filtrada pq tem coisas que são desnecessárias, mas a parte que interessa está toda aqui (ou não?!).

Eu criei o feitodequeijo em uma tarde de puro ócio na antiga firma. Fui apoiada pelas amiCas que já tinham um blog e que disseram que eu poderia postar o que eu quisesse, quanto quisesse e como quisesse. Aí eu gostei da parada. Sem obrigação de atualizar todo santo dia e sem ter que escrever uma bíblia. Eu coloco aquilo que eu quiser. Eu gosto das coisas assim pq eu sou aquariana e prezo pela minha liberdade de ir e vir. E o bonitão tá aqui ó, de layout novo, com vários seguidores e me suportando. Uma belezinha!

Agora falando sério: eu pude conhecer muitas pessoas (e páginas) bacanas e interessantes com o meu blog. Pude desabafar escrevendo nos momentos de raiva, de alegria, de tristeza, de frustação e escrever pra mim, desde pequena, é uma terapia. Eu me sinto aliviada por completo, é a minha maneira de tirar o nó da garganta, sabe?! Mesmo que ninguém leia, a escrita é a minha principal motivação. Mesmo escrevendo tudo de maneira sarcástica, usando gírias e palavrões, me queixando ou aloprando de algum fato cotidiano, meus relatos mostram como sou de verdade uma pobre jornalista pão com ovo.
Então, pra resumir: na verdade, o que eu quero mesmo é ficar famosa, fazer o feitodequeijo virar um best-seller e ganhar muito dinheiro com isso continuar a escrever essas groselhas sobre minha vida, minha família, meus amigos, meu trampo, meu Tricolor Paulista e etc, tudo isso sem segredos, sem códigos e sem cadeados pq eu gosto muito de saber que alguém entrou aqui, leu e achou isso bacana, seja lá como. Então:

Parabéns pro meu blogário!

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Lenço da moda!

Olha só, não é pq meu lenço é feito com uma estampa mais sem vergonha do Brasil que eu vou deixar de usar, né?! Mas que me deixa profundamente chateada, me deixa.

Olha, eu já vi essa estampa em DIVERSOS guarda-chuvas espalhados pela cidade, de gente nova, gente velha e de crianças.

Hoje eu vi essa estampa em uma mochila que um menino horroroso usava. Ele era medonho mesmo e minha estampa tava lá, nas costas dele e ele estava no mesmo lugar que eu.

Mas a máxima foi ver essa mesma estampa em um filme. Sim, filme da gringa! Deveria ficar lisonjeada se este mesmo motivo que uso no pescoço não fosse uma CORTINA no filme “Foi Apenas um Sonho”, estrelado por Leonardo Di Caprio e Kate Winslet.

Meo, deprimente! Vou dar um tiro na cabeça agora.
Tchau.

domingo, 4 de abril de 2010

O mundo [SEM DÚVIDA] é [dos porras] dos NETs

E aí que a NET resolveu sair do ar em plena quinta-feira, véspera de feriado. Legal, né? Não tem problema, "eu quero mais, por isso eu sou NET", mesmo.
Bom, eu mexi aqui, ali, liguei e desliguei fio, mudei de canal, apertei o mosaico e o OK do controle remoto três vezes, escrevi o nome Skavurska em um papelzinho, costurei, passei mel e enterrei no meu jardim a fim de sintonizar a TV mas não rolou. Aí eu tive que ligar na Central de Relacionamento da empresa, falar durante alguns minutos com uma máquina para depois me transferirem para uma mocinha:

- Oi, minha TV saiu do ar e eu preciso de um suporte, tem pra hoje?
- Não senhora, você deve aguardar até às 23h para ver se conseguiremos reparar o problema. Se não der certo, é necessário agendar uma visita para amanhã entre 14h e 17h, tudo bem?
- Errr, tudo, né?! Tem outro jeito?
- Não senhora.
- Então agende a visita para sexta-feira Santa, feriado, no meio da tarde.

Bom, depois de saborear uma fraldinha deliciosa no almoço [perdão Pai, mas se eu já não como peixe nos 364 dias do ano pq iria comer hoje, né?!] armei acampamento em casa à espera de um milagre uma vistoria técnica da NET.
14h. 15h. 16h. 17h.

- Cassete Bru, vou tomar um banho. Se os cabras chegarem você recebe aí? - falei pro meu mino e fui pro meu chuá diário.

Saí do banho e o Bruno me disse que o pessoal da Central da NET ligou avisando que os técnicos iriam atrasar um bocado mas que até as 18h estariam em casa.
18h. 18h30. 19h. 19h30.

- Caralho, esses caras são foda! Vou ligar lá de novo...

[E vai o cão arrependido....]
Liguei, falei com a máquina, escolhi meia dúzia de opções até que a bola da vez me atende. Seu nome era Gilson.

- Oi Gilson, meu nome é Roberta, estou com minha TV sem sinal desde ontem e estou, desde às 14hs de hoje esperando o suporte de vocês chegar aqui na minha casa e nada. Umas 17h vocês me ligaram avisando que teria um atraso mas já são quase 20h. O que aconteceu?
- Senhora, consta em nossos cadastros que essa visita foi cancelada
- O QUÊ???? COMO ASSIM, GILSON???? QUEM CANCELOU????
- Não sei Senhora, apenas tenho essa informação aqui.
- Gilson, olha só, prestenção, eu estou desde ontem sem televisão. Agendei a visita e estou aqui, em pleno feriado, aguardando o reparo e você me fala que a visita foi cancelada? E agora, o que eu faço?
- Teremos que remarcar de novo para domingo, Senhora.
- Peraí Gilson, eu estou sem TV desde quinta-feira à noite e você quer que eu remarque uma visita que foi cancelada por vocês para domingo? Mais dois dias sem televisão?
- Correto Senhora.
- Não Gilson, tá errado. Eu quero alguém aqui amanhã cedo.
- Não temos técnicos disponíveis para amanhã cedo, Senhora. Só para domingo.
- Gilson, por favor, eu quero falar com o seu superior.
- Por favor, aguarde um minuto Senhora

À essa altura do campeonato eu estava muito puta, não só por ter de remarcar a visita do cu de burro moço da NET mas também pq o Gilson não parava de me chamar de SENHORA e isso estava me deixando completamente louca.

- Senhora, meus supervisores estão em reunião. Posso ajudá-la de alguma forma?
- Não Gilson, eu quero falar com eles. É um absurdo cancelar a visita e querer remarcar pra domingo.
- Olha Senhora, eu acabei de ver a disponibilidade novamente e temos um horário pra amanhã, das 14h às 17. O que acha?
- Peraí, antes não tinha horário, agora tem esse? E eu vou ter que perder novamente a minha tarde, agora de sábado aqui, esperando vocês? Quem me garante que vocês virão mesmo?
- Eu garanto, Senhora.
- Garante o que, Gilson?! Vocês cancelaram minha visita de hoje. Não é justo eu perder mais um dia esperando. Sou cliente da NET há mais de 10 anos, não é justo agirem assim.
- Certo Senhora.
- Eu quero falar com o seu superior, Gilson.
- Senhora, ele vai lhe dizer o mesmo que eu estou falando.
- Tá, mas eu quero falar com ele.
- Ok, aguarde um momento.

...

- Senhora, eles ainda estão em reunião.
- Gilson, eu vou aguardar aqui até morrer.


... [barulhos de grilos]

- Senhora, eles continuam em reunião.
- Reunião no feriado, né?! Você só tem um superior, Gilson?
- Não Senhora, tenho mais de um.
- E todos eles estão em reunião?
- Sim senhora.
- Olha só, eu estou muito nervosa com isso que está acontecendo. Eu tenho o último número de protocolo aqui, você pode acessar e ver como essa visita foi canecalada pq alguém aí da Central chegou a me ligar avisando que iria atrasar e..
- Senhora, não tenho como verificar isso com o número de protocolo.
- Não, peraí... Aí já é demais. Pra quê vocês nos fazem anotar essas porcarias de número se não tem utilidade nenhuma?
- Só um minuto, vou verficar aqui. Qual o número, Senhora?
- É 00310024916913200254698002357001447550084500301478
- É, eu vejo aqui que tinha uma visita marcada.
- E?
- Só que ela foi cancelada pelo nosso sistema.
- E eu tenho que pagar pelo erro de vocês?
- ...
- Gilson, pq vocês cancelaram minha visita?
- Não fomos nós, Senhora. Foi o sistema.
- E como ele cancela isso, Gilson? Me explica?
- ...
- Gilson, eu quero alguém aqui amanhã pela manhã
- Mas eu não tenho como agendar, Senhora. Não há disponibilidade.
- Pq, tá tudo cheio? Tá todo mundo com TV fora do ar igual a mim?
- Sim Senhora!
- Pôxa vida, hein. Vocês tão bem...
- ...
- Ué Gilson, cancela a visita de alguém e marca a minha em cima. Vocês não fizeram isso com a minha visita de hoje?
[meu irmão disse que nessa frase eu perdi total a razão!]
- Senhora, não fomos nós que cancelamos, foi o sistema. Eu não tenho como fazer isso. Só tenho como agendar visitas para amanhã à tarde ou domingo de manhã.
[Só faltou ele dizer: "Vai ou não, caralho? É o que tem pra hoje, barraqueirinha duzinferno!"]
- Olha Gilson, marca logo isso pra domingo. Mas escreve aí no seu cadastro tudo que aconteceu comigo, que eu estou muito nervosa e que vou ligar para o PROCON.
- Ok Senhora.
- Não pode acontecer isso. A NET é uma empresa de grande porte que deve muito aos seus clientes mas o suporte de vocês é péssimo.
- Ok Senhora, finalizei seu pedido. Posso te ajudar em mais alguma coisa?
- Não né, Gilson. Só isso mesmo.
- A NET agradece a sua ligação, tenha uma boa noite e uma Feliz Páscoa, viu?!
- O que? Porra, vai ser MUITO FELIZ a minha Páscoa, Gilson!

Que filho da puta! Ainda teve "os dom" de me zuar. Que raiva! Eu odeio a NET, a Telefônica e todos esses calls centers malditos. É de chorar, viu?!

Meu irmão tentou me consolar dizendo que eu mandei bem [tirando o jeitinho brasileiro], que temos que ficar no pé, que é assim mesmo e tals. Ligou a TV, mexeu daqui, mexeu de lá e eu puta, xingando Deus e todo mundo e... SINTONIZOU! Hahahaha, que alegria, TV funcionando.

- Ué, mas como você fez isso?
- Nina, você tem certeza que mexeu nos fios, viu se estavam todos desconectados?
- Sim Rodrigo, eu juro. Mexi, tirei e liguei os fios...
- E o cartão do decodificador? Tirou e colocou?
- O cartão? Não, no cartão eu não mexi.
- Bom, foi isso então. Estamos sem TV desde ontem pq estava mal sintonizada nos fios. Parabéns! Olha, você precisa aprender a se virar, eu não vou estar aqui a vida toda e blablabla...


[começou o discurso "a culpa é sua"]



Porra, que merda. Que merda que eu sou, quanta merda eu falei pro Gilson de graça, que merda esse cartão do decodificador, que merda tudo!

Pior é que eu ainda vou ter que ligar lá pra desmarcar a visita de amanhã. Não deveria desmarcar. Deveria deixar os cornos irem lá em casa, abrir a porta e dizer: "Voltou a funcionar, obrigada!", mas não... eu vou cancelar essa caralha! O foda é correr o risco de ser atendida pelo Gilson, putaquel.

Liguei e deu tudo certo. A máquina em forma de gente cancelou a minha visita e eu pude assistir minha TV no domingo só às seis tarde, sem nenhuma dor de cabeça "pq eu sou NET e sou feliz completamentiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, pra sempriiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!"

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Figurinha carimbada!

No dia 11 de abril chega às bancas o álbum de figurinhas da Copa do Mundo lançado pela editora Panini. É claro que eu vou comprar e completar o álbum [se Deus quiser!] e bater bafo com os cromos repetidos. Já tenho até parceiros que estão nessa comigo.
Esse lance de colecionar figurinhas me dá saudade da minha infância. Sempre fui "meio menino" e já que tinha esse lado masculino aflorado, fazia parte de tudo que englobava o futebolístico com o apoio do meu Pai. 

Na Copa de 94, colecionei os Cards da Copa e em 95 tive o álbum do Brasileirão. Munida de listinha feita a mão e assinalada com os números que eu já tinha e com os que faltavam [meu pai me ensinou a ter um controle, tá?!], eu levava meu "bolinho" de figurinhas para a escola e trocava com os meninos. A troca sempre rendia uma inédita aqui e outra lá e depois, com o restante, a gente batia bafo. Que delícia! Cansei de rapelar os moleques nessa modalidade. Lembro que minhas amigas ficavam putas chateadas comigo pq na hora do recreio eu nunca estava com elas fofocando ou paquerando mas sim com os meninos, berrando, apostando e rapelando todos eles no bafo em cima do palco que ficava no pátio da escola. À noite, ficava esperando meu Pai voltar do trabalho com novos pacotinhos de figurinhas para abrir e colar no álbum. Mostrava para ele minhas novas aquisições e ia "dando baixa" na tabelinha. Êê tempo bom!

Nunca consegui completar um álbum e não sou traumatizada por isso mas tem um rosto fato que me assombrou durante esse período em que colecionava as figurinhas. O nome desse trauma é WILSON ROBERTO GOTTARDO. Meu, é impressionante, mas acho que ele deu uma verba a mais pra galera da Panini fazer figurinhas em maior quantidade com a cara dele. Todo pacotinho que eu comprava, lá estava ele. Podia até mudar de banca pra ver isso mudava mas aquela face estava sempre lá, não tinha jeito. Foda! Eu poderia ter completado o álbum do Brasileirão de 95 com seus 480 cromos de Gottardo, sem brincadeira nenhuma. 

Fico agora eu aqui pensando: quem será a praga que irá me perseguir durante a Copa de 2010? Imagina se sai um Gottardo de dentro do pacotinho? Medo, gente. Muito medo!

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Daqui uma semana o meu blog fará um ano (08/04).
Que belezinha. To muito emocionada!
Vou preparar um post especial :)