segunda-feira, 15 de março de 2010

Trauma de infância, teu nome é ODAIR!

Quinta-feira passada o telefone tocou logo cedo em casa:

- Alô, é da casa do Rodrigo?
- É sim, quem quer falar com ele?
- É a Roberta, irmã dele que está falando?
- Sim, sou eu. E aí, quem fala?
- Oi Roberta, é o Odair da farmácia.
- Ooooooooooooi Odair, puxa vida, quanto tempo! Você está bem? Em qual farmácia está trabalhando agora?
- Eu estou bem, sim. Ah Roberta, eu parei, me aposentei. Larguei a farmácia pq to velho já!

Um filme passou na minha cabeça. Um filme de todas as vezes que tive gripe, febre e garganta inflamada quando criança. O lema era: “Se você ficar doente, vou te levar no Odair para tomar injeção!”. Acho que é daí que vem todo o meu pavor de injeção, médico, agulhas e afins.

O Odair era o farmacêutico da família. Cuidou da minha avó materna, da minha mãe, meu pai, meu irmão e de mim. Quando o sorvete fechava a garganta da criança aqui, era batata: ODAIR NA VEIA!
Minha mãe falava que ele tinha a mão leve, ótima para aplicar injeção. Aham, vai vendo: o Odair devia medir quase dois metros de altura e pesar mais de 100 kgs. É um baita de um Negão com uma lapa de braço absurda, enfim, jamais teria uma mão leve para aplicar a doída bezetacil no meu bumbum magro e branco. Mas fazer o que, era ele mesmo que aplicava. E eu, como sempre, PATIFE!
Já dei muito escândalo na hora de levar a picada. A minha pressão sempre caia, me dava uma tontura, um mal estar sem fim. O pobre do Odair já estava até acostumado com os meus chiliques. O bom foi que, depois de adulta, ninguém mais pode me obrigar a tomar a injeção. Sempre optei pelos 20 dias de antibiótico do que sair de lá exalando menta, canfora e afins.

Bom, mas eu escrevi tudo isso pra dizer que mesmo o Odair sendo um cara grandão, negrão e com cara de bravo, eu gostava muito dele. E ainda gosto pq o cara apenas se aposentou, né?! E confesso que vou sentir falta de correr pra ele (mesmo cagando de medo) pra dizer que estou mal, com febre, com rinite e tudo mais. Até quando levei ponto no supercílio o Odair ajudou a cuidar. Coisa linda de meu Deus, viu?!
Mas só de lembrar dele preparando a ampola pra me aplicar uma injeção,“minhas vista” já embranquecem!

- “Sem injeção, 'Dair'! Me dá um Vibral e um Bactrim que eu saro rapidinho!”

Um comentário:

  1. RSRSRSRSRS, muito bom. Quem é que já num teve um Odair por perto né. Só que lá na Vila é o Orlando, tudo com O né, tá valendo. Lembro de uma vez q fui no Orlando com dois amigos, gripada pra caramba e ele me perguntou, Nelita o que vc etá tomando, lógico que ele se referia a algum tipo de medicação e eu tchonga mandei na lata "Água Gelada"....bons tempos aqueles....Amei branquela, sou sua fã...bjks....

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!