terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Meus Carnavais Inesquecíveis

Tá, eu sei que já acabou e que passou da hora de fazer um post sobre o CARNAVAL, mas como o blog é meu e quem manda nessa porra também sou eu, vocês vão ter que me engolir e ler o meu relato sobre a "Festa da Carne".


O que eu quero falar é que sempre curti Carnaval. Quando pequenininha ia nos bailinhos de Carnaval lá no CUrintia (sim, eu era sócia do clube e morei na Rua São Jorge! Perdão meu São Paulo!) e me esbaldava no confete e na serpentina.

Também já viajei para a praia com meus pais nesta data e ficava até altas horas acompanhando todos os desfiles pela TV com meu pai. Era a maior diversão pra minha idade!

Depois, na adolescência, meus carnavais se resumiam em duas palavras: Porto Feliz.
Eu desfilava nos blocos da cidade, acompanhava o Carnaval de rua e à noite ia para o Tênis Clube me acabar até às 6h da manhã. De lá, seguíamos direto para a Padaria São João tomar um belo café da manhã antes de dormir até as 15h.

Sinceramente, nada me empolgava mais nessa vida do que as noites de Carnaval em Porto Feliz ao lado das minhas primas e amigas. Eu levava umas três semanas planejando as roupas que iria usar no baile, comprava as camisetas dos blocos que desfilaria e ficava esperando ansiosa para pular a noite toda.

Todo ano a nossa turma, umas 15 meninas no total, fazíamos uma camiseta nos representando. Nosso meigo grupo de mulheres se chamava NOIS É NOIS E O RESTO É BOSTA, bem fino, né?! No primeiro ano estampamos esta frase na íntegra em nossas camisetas e todo o resto do baile (que não faziam parte do "NOIS") se sentiu ofendido e ouvimos poucas e boas dos meus tios e pais de algumas das integrantes. E foi pensando nisso que a cada ano a frase da camiseta era diferente. O "NOIS É NOIS" era fixo, mas a segunda parte era mudada. Em ano de Copa, a frase ficou "NOIS É NOIS E NÃO DESISTO NUNCA!". Super original, falaê? Enfim, a camiseta era a mais vagabunda possível (no primeiro ano, a frase foi pintada a mão, com tinta para tecido), mas era uma diversão usá-la.

Fora isso, os blocos eram sensacionais. Saíamos na CIRROSE que tinha um trio elétrico com breja a vontade durante todo o percurso da avenida. Também fazíamos parte do NOSTRAVAMOS, um bloco mais humilde, mais original, com bateria e mestre de bateria (ó só!). A bebida era servida para todos e estava ao nosso dispor dentro de um carrinho de supermercado que circulava pra cima e para baixo. A coisa mais gostosa da vida.



No Tênis Clube, a gente zuava demais. Rolava de tudo: montinho, pega-pega dentro do salão, confete dentro da calcinha, pegação, paredão e início de tumulto (sim, sempre tinha um auê pra animar a noite, claro).

Lembro que no Carnaval de 2003 eu namorava, mas disse pro meu mino na época que queria passar o Carnaval sozinha e em Porto Feliz. Quê isso, minha gente?!?! Como eu pude ser assim?!?! E fui mesmo. O carinha foi a contra gosto pra Ouro Preto, na maior putaria do Brasil, querendo me fuzilar por conta da minha decisão. E eu acho que foi aí que eu perdi o namorado... Mas foda-se, a verdade é que eu queria aproveitar esses dias livremente (juro que não trai o moço, não sei pq, mas não trai), beber em paz, zuar com as amigas e só. Fizemos tudo isso e mais um pouco. Alugamos uma chácara com piscina e churrasqueira e ficamos lá, os cinco dias com umas 20 pessoas na casa. SÓ MULHER. Era proibida a entrada de homens. Olha que bando de tapada. A gente só queria a gente mesmo e assim foi. Inesquecível!!

Depois da chácara, a gente mudava de endereço a cada ano. Casa de tios que foram viajar, tios que morreram, casa de amigas e etc... O que mais importava era estarmos todas juntas pra fazer folia.


Enfim, meus Carnavais em Porto Feliz foram marcantes. Acho que nunca vou esquecer essa passagem da minha juventude. Foi tudo tão bom, tão itenso e eu sinto saudade disso. Sinto saudade de amar o Carnaval como amava naquela época. Sim, pq hoje em dia é tudo diferente. Mais tranquilo, menos eufórico, mais contido.


Fora Porto Feliz, estive em lugares bacanas em outros Carnavais. Em 2007 fui para a Salvador. Realizei um sonho, ou melhor, ganhei este sonho de presente da Claudia. Passei os cinco dias no camarote do Terra, acompanhando todos os trios do circuito Barra-Ondina, fiquei no melhor hotel da Bahia, comi, bebi, fiz trancinhas no cabelo e, de quebra, subi em cima do trio da Banda Eva e fui atrás do Chicletão sem gastar um real sequer. Fala sério, foi demais. Conheci pessoas super legais e aproveitei tudo que podia. Sem palavras.

Ano passado curti o Rio de Janeiro e até participei do Carnaval de rua no bloco "Simpatia É Quase Amor" com a família Miranda. Foi muito gostoso também. Aproveitamos a praia, passeamos e nos divertimos.

Este ano, fui para a praia com o namorado. Fui de moto, menstruada e sem meus óculos de grau (e nem minhas lentes de contato). Muita tragédia, né?!
Mas foi tudo maravilhoso. Uma viagem só minha e dele, só nós dois e nossos passeios. Sem TV, sem rádio, sem estacionamento e sem ventilador.
Um Carnaval sem tanta paixão ou preparação para a data, mas um Carnaval pra ficar marcado, assim como todos os outros...

Obs:. Vale o registro, para quem quiser curtir um pouquinho da minha turminha de Porto feliz, nós tínhamos um blog na internet. Quer dizer, ele ainda existe apesar de estar morto desde 2007. Que saudades que dá! http://www.flogao.com.br/galerinhapfz/foto/114/112473617

2 comentários:

  1. Aiiiii.....olha eu em 2 das fotos em Porto Feliz....tenho que concordar com vc, não fui em tantos carnavais em Porto como vc, mas o que eu fui, foi um dos melhores da minha vida! Todas as vezes que me lembro, lembro com muitas, muitas saudades de como aproveitei aquele carnaval, de como amei participar do baile no tenis, do churras na pensão, do café na padaria, de tudo, tudo...pode apostar amiga, vc me deu a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas e ainda curtir demais.

    ResponderExcluir
  2. Tô quase chorando de saudades, mas agradecendo a Deus por essas oportunidades q vivemos juntas!!! E o melhor, nunca, ninguém, vai tirar isso de nós!!!

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!