quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

MAIS UMA PERIPÉCIA DO MEU PAI. A MAIOR DE TODAS!

PARTE 1 - A LOUCURA DO PAI

Meu Pai é um exemplo de superação. Mas digo isso no sentido contrário da coisa, ou seja, cada merda que ele faz ou fala, sempre será superada por outra pior. Basta aguardar o passar dos dias. A merda pior sempre vem.

Na quarta-feira à tarde ele me liga pra dar a notícia do ano. Da década. Sei lá, do século. Aquela que faltava. A cereja do bolo!

- Filha, adivinha o quê eu dei de presente de aniversário pra Noêmia?
- Humm, não sei Pai. Qual foi o presente?
- Fiz uma TATUAGEM!
- O QUÊ? COMO ASSIM, PAI? É MENTIRA SUA, NÉ?! NÃO TÔ ACREDITANDO!
- Papo sério, Filha. Fiz uma tatuagem com o nome dela.

Acho que eu já vivi tempo necessário pra ver tudo que eu precisava. Sério.
O desenho então, é coisa de outro mundo: Uma águia segurando o nome da amada e uma âncora saindo pela parte de baixo.

- A âncora significa que ela ancorou em meu coração.

E eu tenho que ouvir isso e achar lindo!

O cara poderia fazer algo mais discreto, né?! Mas a tatuagem é gigante, toda pintada, sombreada, no meio do braço de um senhor de 63 anos. Sabe, a tatuagem em si não me incomoda, o que me deixa puta é o nome da mulher lá (assumo, pronto!).
Se vocês soubessem os pesadelos que tive essa noite após ver o baguio de perto...

Fico imanginando meu Pai sendo tatuado:

- Onde você fez essa tatuagem, Pai?
- Na Silvio Romero.
- E doeu? Quanto tempo levou?
- Doeu um pouco, saiu sangue. Eu entrei às 11h e saí às 16h.

SENHORRRRRRRRRRRRRRRR. MEU PAI É UM SENHOR DE IDADE!!!!


- E pra pagar, Pai? Foi muito caro?
- Um pouco, filha. Mas eu fiz em duas vezes, hehehehehehe!



Loucura parcelada dói menos, né?! Pelo menos no bolso!

***

PARTE 2 - ELE NÃO ESTÁ SOZINHO NESSA.

Vi a tatuagem ontem, na casa dele. Assim que o Rodrigo foi dar um abraço de feliz aniversário na Noêmia sentiu um troço estranho nas costas dela. Adivinhem??? A MULHER DO MEU PAI TAMBÉM SE TATUOU, PUTAQUEMEPARIU!!!!!!!!!
Ela tem um coração com o nome TONINHO escrito na parte de dentro. MEU DEUS DO CÉU!!!
Os dois parecem adolescentes, gente. Tão achando tudo lindo!

Eu preferia que ele tivesse casado na igreja do que vê-lo com aquela tatuagem.


***

PARTE 3 - CUIDADOS COM A TATUAGEM

- Pai, o cara do estúdio te avisou os cuidados que você deve tomar?
- Sim, filha. Ele me avisou.
- E você tá cuidando direito da tatuagem? Tá passando a pomada Bepantol?
- Quê, filha? Como é o nome dessa pomada? Soletra pra mim.

CARALHOOOOOOOOOOOOOOOOOO!

- Cê tá ligado que não pode tomar sol, né?!
- Tô, sim.
- E nem comer certas coisas, tipo carne de porco.
- Nossa, mas eu comi carne de porco ontem.
- PAAAAAAAAAAAAAAAAAAI, NÃO PODE!
- Mas foi só um pedacinho, filha. Não deu reação. Tem pessoas que tem reação e outras não. Comigo não dá!

PUTA QUE PARIUUUUUUUUUUUUUUU!


***

PARTE 4 - A ZUEIRA DOS AMIGOS

Como era aniversário da Noêmia, um casal de amigos deles estavam lá na casa para dar os parabéns. O Jorge e a Cristina são, na verdade, nossos amigos também. Há mais de 30 anos que meu Pai conhece o Tio Jó e a Cris. Eu e o Rodrigo crescemos juntos com o Denis, Danilo e a Daniela (filhos deles). A Dani inclusive sempre acompanha meu blog, e com certeza deixará alguns comentários por aqui.

Foi a Cris que apresentou a Noêmia para o meu Pai. Elas trabalhavam juntas em uma escola e marcaram o esquema. Ou seja, a Cris é a culpada por tudo isso.

O Jorge só zuava meu velho. Mas ele pode e meu Pai merece. O Tio Jó é o companheiro inseparável do meu Pai todas às sextas-feiras no bar do Casqueti.

- Ô fí, deixa eu ver essa sua "estaltua" - dizia o Tio Jó entre uma breja e outra.
- Eu queria fazer uma "estaltua" da minha fofa aqui no meu peito, mas disse pro tatuador que queria o desenho do jeito que é igualzinho ao vivo, inclusive com a "ursa" que ela tem aqui no imbigo.
- Não é úlcera, Jorge. É hérnia. - a Cris fez o favor de lembrá-lo

Olha, só sei que aquela cena tava engraçada. Vira e mexe o Tio Jó falava pro meu pai: "Olha aí, o edredão da sua 'estaltua' tá caindo". Era pra avisar que o plástico que cobre a tatuagem estava saindo do lugar.

Aí o Tio Jó mudava de ideia:
- Acho que vou fazer uma estaltua aqui no meu peito escrito "ITAIPAVA, AMOR ETERNAMENTE"

Acho que eu preferia ver meu Pai com a Itaipava no braço, também.

***

PARTE 5 - CONCLUSÃO FINAL

Eu dormi mal essa noite. Tive pesadelos terríveis com aquela águia da Portela e com a âncora do marinheiro Popeye. Não posso esconder que foi um choque pra mim. Sim, eu fiquei meio, sei lá... não gosto nem de falar.

Sei que meu Pai é jovem, que é viúvo, que pode fazer o que bem entender, mas é estranho ver o nome de uma mulher estampado - pra sempre - no braço dele. Ele está feliz, isso é o que importa, mas não é fácil lidar.

Só peço que Deus me ajude a acostumar logo com isso. E sinceramente, eu não sei pq eu ainda me espanto com as atitudes do meu Pai.

domingo, 26 de dezembro de 2010

GENTE, ME AJUDEM!

Eu só queria perguntar uma coisa pra vocês:

Alguém aí já chorou fazendo cocô? Já ficaram com uma dor insuportável na barriga a ponto da bagaça não sair e você se contorcer de dor de tal maneira que chega a ficar pálida?
Aquela dor que te faz arrancar toda a roupa e só conseguir dizer "ai, ai, ai" e ficar com a cara no chão e a bunda pro alto? De sentir tontura e quase desmaiar?

Bom, foi isso que me aconteceu hoje pela manhã. Chorei de dor ao fazer cocô. E, além de querer uma explicação para esse fenômeno, gostaria também de pedir para que vocês orem por mim e pelo meu intestino, amigues.
Não tá fácil ir ao banheiro com dignidade nessa vida.

Eu não resisti ao REI!

Dia 25 de Dezembro, dia de especial do Roberto Carlos na Rede Globo.
Logo eu, que sempre critiquei, sempre achei brega, sempre achei repetitivo [e isso continuo achando, mas agora é legal!] e sempre "censurei" os choros do meu pai e da minha mãe ao ouvirem a voz do Robertão, me vejo, assim como eles, emocionada quando ouço aquele "Lobo Mau da Jovem Guarda" cantar seu repertório nessa época do ano.
Não sei se fiquei idiota agora ou se eu era idiota antes, o fato é que eu não posso ouvir o diacho dessa música que eu desabo a chorar.
O que acontece, Brasil? Virei fã do Rei!

[Como não encontrei o vídeo do especial deste ano, posto o do ano passado mesmo!]


Mais um Natal...

O meu Natal foi ótimo. Super gostoso, em família [que agora são duas, né?! A minha e a do Bruno], muita comida, bebida e... lembranças.
Feliz Natal daqui e de lá, mas quando a cabeça parou e se situou, foi estranho.
Eu não vi o meu pai, nem meu irmão no dia 25 de dezembro. Esse é o décimo Natal que passo sem a minha mãe. Caracas, é o décimo!

Na madrugada do dia 24 para o dia 25, eu estava na casa de um tio do Bruno. No meio daquela algazarra toda, tinha uma criança [muito sabidona, estilo Maísa, saca?] toda louca, feliz da vida, abrindo milhares de presentes e perdida. Ela não sabia o que abria primeiro e com o qual brincava antes de tudo. Toda família preparava surpresas praquela criança. Era ela quem comandava o amigo secreto às escuras, o presente certeiro estava lá esperando por ela mesmo que outra pessoa escolhesse [sem querer] o pacote que estava destinado à ela, a mãe, o pai, o padrinho, as tias, TODOS ELES presentearam a menina com aquilo que ela muito queria. Em dado momento da festa, uma prima se aproximou da pequena e disse: "Olha, eu acabei de ver lá fora um velhinho barrigudo, barbudo, vestido de vermelho e ele te deixou um presente lá na porta. Corre até lá pra você ver o que é".
Cara, vocês tinham que ver o olhar da menina naquela hora. Não sei o que falava mais alto: o desejo pelo presente ou o desejo pelo encontro com o bom velhinho.
Fiquei maravilhada com tudo aquilo. Minha memória voltou no tempo, uns 20 anos atrás...

Naquela época o Natal tinha graça. Eu era pequena, ganhava presentes incríveis dos meus pais, tudo girava em torno de mim e, ao ver essa cena - agora em outro papel - me deu saudade do passado. Uma puta de uma saudade!
Eu tive todas as bonecas que desejei. Aquela que tremia, a que cuspia a chupeta, a que fazia bolhinha de sabão, a que chorava, a Moranguinho, a que ganhava neném, as Barbies. Eu tive todos os brinquedos que quis. O Pense Bem, o Meu Primeiro Gradiente, o Banco Imobiliário, o Cara a Cara, a caneta Questron, o Pogobol, o Vai e Vem. Tive todos os discos e fitas de todos os cantores e apresentadores infantis que se possa imaginar: Angélica, Mara, Mariane, Patotinhas, Algodão Doce, Trem da Alegria, Balão Mágico, Dominó, Polegar, Menudo, Xuxa [até Xuxa em español eu tinha!].

Eu não posso reclamar dos Natais que tive na minha infância. Foram todos muito especiais e marcantes. Hoje em dia, só me resta esse saudosismo, essa saudade louca, essa vontade de voltar no tempo e, se eu pudesse escolher um dia pra realizar essa vontade, esse dia seria o Natal. Família reunida, com papai, mamãe e irmãozinho, tios, primos e avós, aquele bando de embrulho de presente, eu rasgando tudo, de maneira bem afobada, já de olho no próximo presente que viria na sequência e, ao final, aquela contemplação ao brinquedo tão esperado.

Dois bons momentos natalinos não me saem da cabeça. O primeiro é de um Natal na rua São Jorge, eu deveria ter uns cinco anos de idade. Ganhei rios de presentes e quando tudo acabou lá em casa, eu fui para a cama dos meus pais antes de dormir no meu quarto. Eu estava muito feliz e conversava com os dois, estávamos deitados na cama de casal. Foi quando eles me disseram que o Papai Noel tinha passado por lá e que era pra eu olhar embaixo da cama. Quando fui até lá, tinha uma boneca me esperando.
Eu não esqueço dessa cena. E como é bom tê-la aqui, na minha memória.

A segunda recordação que tenho é de um Natal na casa da minha avó paterna. Eu deveria ter entre 7 e 9 anos. Eu era LOUCA por Barbies e tinha quase tudo da coleção da boneca. Sofá, cama, mesa de jantar, escritório, sorveteria, penteadeira e todos os acessórios minúsculos que compõem o cenário daquele sonho de menina cor de rosa [pratinhos, copinhos, taças, almofadas, pentinho, mini secador e etc...]. Só faltava um ítem, aquele mais desejado por todas nós: A CASA DA BARBIE.
Quando eu abri aquele presente, eu quase caí dura pra trás. Aquilo custava uma fortuna na época, nem acreditei quando recebi o presente que eu tanto queria.

Também lembro com saudade daquela sensação que sentia após ganhar tantos presentes no dia 24, acordar para o dia seguinte era muito melhor. Eu acordava com aquela sensação de "amanheça logo pq tenho muita coisa pra fazer". E tinha mesmo. Muito brinquedo pra montar, muito manual de instrução pra ler e tinha que me acabar de brincar até cansar.

Que saudade que eu sinto de você minha infância, minha mãe e meus Natais inesquecíveis.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Eu ESCOLHI ser Tricolor!

Todo mundo se orgulha de ostentar o conceito: "Torço pra tal time desde criancinha!". Eu não carrego essa frase pq comigo não foi assim. Nem comigo e nem com meu pai.

O velho, nascido em Portugal, viveu até sua adolescência obrigado a torcer para Portuguesa de Desportos pq tinha que agradar (e obedecer) seus pais. Apaixonado por futebol, jogador de várzea, botinudo e cabeludo, Papai vivia enfrentando peneiras pq queria se profissionalizar, mas não deu certo. Seu Toninho, finalmente se assumiu São Paulino graças à Roberto Dias (zagueirão da década de 70).

Quando eu nasci, Papai me vestiu de Tricolor e passou a vida me doutrinando. Vim ao mundo, em 83, o São Paulo Futebol Clube só tinha 48 anos (time jovem, porém promissor). Meu Pai tinha 34 e minha mãe, 36 anos. Meu irmão Rodrigo, tinha 8 anos e já estava seguindo o caminho futebolístico escolhido pelo nosso Pai. Só minha mãe fugia à regra e era nossa arqui-rival: Corinthiana.

Desde muito pequena moro no bairro do Tatuapé, reduto de... Corinthianos. A maior parte da minha infância, morei na Rua São Jorge, reduto de... Corinthianos. Frequentava o clube do Corinthians, morava há 10 passos da piscina, já abracei o Biro-Biro e sempre via o Sr. Vicente Mateus passeando por aquelas bandas. Ou seja, estava prestes a sucumbir à uma lavagem cerebral sem tamanho, afinal, eram muitos pontos a favor do time da Marginal.


Quando eu estava perto do meu Pai, me dizia São Paulina, mas quando via minha mãe torcendo sozinha, sem apoio nenhum para o seu time de coração, eu titubeava.
Eu precisava de um chacoalhão, algo que me fizesse decidir, de uma vez por todas, para qual time de futebol eu iria torcer. Afinal, era impossível não gostar de futebol dentro da minha casa.

A resposta veio. O ano era 1991, eu tinha oito anos de idade, o jogo da vez era Corinthians e Palmeiras (ou vice-versa). A famosa cusparada que o Neto deu no juíz José Aparecido foi o fato crucial que me fez decidir, de uma vez por todas, que Corinthiana eu não seria, jamais!
Eu era menina, mas aquele gesto me marcou muito, me envergonhou de verdade, e eu não sei explicar como aquilo me influenciou tanto. [Já contei o fato aqui e aqui).\

A partir daí, eu decidi ser Tricolor. Lembro da primeira camisa que ganhei. Era da época da IBF e o número era o 8, justamente no ano em que o São Paulo ganhou o seu terceiro campeonato brasileiro. Após isso, vieram as primeiras conquistas internacionais de maior importância: Libertadores da América e Mundial Interclubes. Eu vi tudo isso! E vi a cena se repetir em 2005. Muita alegria!

Vi ídolos passarem pelo Morumbi e marcarem a minha vida. Telê, Zetti, Raí, Muller, Cafú, Palhinha, Denílson, Dodô, Kaká, França, Amoroso, Luizão (o menino Luizão!), Aloízio, Mineiro, Toninho Cerezo, Josué, Leonardo, Luís Fabiano, Lugano, Muricy Ramalho, Rogério Ceni e muitos outros... Sem contar aqueles que não vi jogar, mas sei de histórias: Leônidas da Silva, Canhoteiro, Pedro Rocha, Serginho Chulapa, Forlán, Darío Pereyra, Careca, Silas, Chicão, Pita, Gerson, Poy...


Eu vi até goleiro fazer gol, tem noção? Meu goleiro-artilheiro tem quase CEM GOLS em sua carreira. Não é pra qualquer um!
Hoje, meu time de coração completa 75 anos de vida, de história, de muitas alegrias e algumas tristezas (poucas, mas que também fazem parte da trajetória). Um clube vitorioso, estruturado, com torcedores apaixonados e mal acostumados. Soberano em Campeonatos Brasileiros, em Libertadores e Mundiais. Colecionamos troféus e uma história muito bonita.

Fico aqui imaginando como será nossa camisa quando tivermos 100 anos de idade. Quantas estrelas a mais teremos em nosso manto sagrado? Quero estar viva para comemorar as conquistas futuras.
Por isso, tenho orgulho em bater no meu peito - que é vermelho, preto e branco - e dizer: EU NÃO NASCI TRICOLOR, EU ESCOLHI SER!!

Parabéns Meu São Paulo. Obrigada por tudo.
O dia em que tú não existir, eu não quero sorrir nunca mais.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Devolvam meu papel e minha caneta

Não tenho mais familiaridade com papel e caneta. Não sei mais segurar a dita cuja e nem escrever com letra bonita em um pedaço de papel. Isso me deixa muito triste.
Eu tinha uma letra tão linda, tão redondinha, mas agora ela virou isso aqui: um bando de caracteres que muda conforme a fonte.
Não tenho mais coordenação motora e mal consigo escrever em cima da linha nos cadernos. Logo eu que sou louca por cadernos novos e amo colecionar canetas coloridas. Logo eu que vivia fazendo diários, cadernos de músicas e escrevendo cartas para minhas amigas. Que decepção!
Parece que esse avanço tecnológico levou embora um pouco de mim, das minhas raízes, do meu passado.
Lembro da minha época escolar... dos meus cadernos encapados com papel pardo e etiquetados com aquele adesivo quadrado indicando a matéria correspondente ao caderno. Foi sempre assim, da minha 1º até a 4º série do ensino fundamental (que hoje nem deve mais ter esse nome).
Depois, no ginásio, eu comecei a escrever nos cadernos maiores, com espiral. A Tilibra fazia umas capas sensacionais, que era unânime na época, todo mundo tinha o mesmo tipo de caderno e com o mesmo desenho na capa.
Também lembro dos trabalhos que fazia à mão. Ia à biblioteca e pesquisava sobre o assunto. Copiava tudo que achava importante dos livros para as folhas de almaço e pronto, estava feito - o trabalho e o calo no dedo anelar da mão direita (sim, eu apoio a caneta no dedo anelar. Ou apoiava... já nem sei mais).
Hoje em dia eu nem tenho mais o calinho. Ele inchava, ficava vermelho e amassadinho no meio. Que saudade dele.
O que me resta atualmente são as tendinites de tanto teclar e passear com o mouse, para lá e para cá, o dia todo. Compartilho minhas letrinhas numa folha em branco virtual de Word e sem linhas, e mesmo assim, consigo escrever retinho.
Coisa de louco. Nunca pensei que as coisas seriam desse jeito. De qualquer forma, carrego em minha bolsa um estojo transparente repleto de canetas, lápis e apontador. E eles sempre me socorrem quando preciso.

Aliás, tenho uma caneta roxa, linda, com a ponta fina e que escreve meio molhado, sabe? Se fosse nos anos 90, eu faria um estrago com ela. Letra linda, desenhos, cores e etc...
Mas hoje eu só me restou isso aqui.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Muricy é TETRA!

Eu queria fazer um post muito foda pra falar de Muricy Ramalho. É isso que ele merece. Um texto muito foda que represente o quão foda ele é.

Tetra campeão brasileiro, ético, profissional, um vencedor. Merece todos os títulos que possui, todas as faixas que vestiu, todos os prêmios que ganhou. Pq ele é foda!
Ele consegue fazer um time meia boca se tornar campeão. Isso se chama competência!
Ele consegue dizer NÃO pra CBF e pro ladrão digníssimo RICARDO TEIXEIRA sem nenhum problema. Ele cumpre sua palavra e honra o contrato com o clube e o leva à conquista do Campeonato Brasileiro de 2010. Isso se chama ética!
Ele faz a alegria da torcida Tricolor [Paulista e Carioca] de uma só vez. Isso se chama admiração!
Ele sonha com o mestre Telê Santana no dia do título, como se fosse uma confirmação de que tudo daria certo. E deu!

Parabéns Mestre Muricy Ramalho. Merecedor de todas as honras e glórias que possui.
Eterno em nossos corações!

***

RIO - A conquista de seu quarto título de campeão brasileiro em cinco temporadas fez com que Muricy Ramalho se consagrasse como o maior vencedor da era dos pontos corridos. No Fluminense, neste domingo, ele fez questão de lembrar daquele que considera seu mentor, o falecido técnico Telê Santana. Empolgado e emocionado, contava um detalhe íntimo:

"Essa noite eu sonhei com o Telê, dei um abraço nele e ele estava feliz. Eu vi ele vivo, senti que estava vivo, foi demais, e ele estava feliz. E nós fomos campeões hoje", contou o técnico na entrevista coletiva no Estádio do Engenhão, após o 1 a 0 no Guarani.
Ele não faz comparativo, porém, com o estilo de jogo de sua equipe e do técnico. "Os times do Telê eram mais cadenciados, é diferente".


Festejado pelos jogadores com um banho dos jogadores na mesa onde concedia a entrevista - que fez os microfones falharem - Muricy negou arrependimento ou alívio por ter ficado no Flu e recusado o convite da CBF para dirigir a seleção brasileira. "Fiz a coisa consciente, mesmo se não desse certo. Minha palavra eu tenho de cumprir, foi o que meu pai ensinou. Jantei com o Mano Menezes e disse para ele que tudo vai dar certo lá", explicou.


O técnico negou ainda que tenha tido problemas com os jogadores do time tricolor nesta temporada. "Deco, Fred, Washington, Conca, tudo gente boa, não tem essa de problema aqui. Dei conselhos para o Fred, que precisava acalmar um pouco, ir na igreja, sair de foco, para reencontrar o melhor caminho. E deu tudo certo".


A nova conquista não faz com que ele pense em aposentadoria. "O que mais me incomoda é ficar longe da família. Mas faço meu trabalho aqui e agora só quero festejar", completou. Ele volta para São Paulo nesta semana - após a premiação da CBF, nesta segunda-feira no Rio, e descansa até o começo de janeiro, quando o Fluminense se reapresentará para a temporada 2011.


[Fonte: Estadão.com.br]

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O retorno da MARIPOSA!

Gente, vou contar uma coisa pro cêis. Lembram da MARIPOSA PRETA HORRENDA QUE INVADIU MINHA CASA NO ANO PASSADO? Pois bem, ELA SE INSTALOU EM MINHA RESIDÊNCIA NOVAMENTE!
O que está acontecendo? Alguém pode me explicar?

Fui fazer um xixizinho no quartinho do fundo e de repente ouço um barulho "FLOP FLOP FLOP" desgovernado e quando vejo, um SER ENORME, PRETO, VOADOR, BATENDO AS ASAS E FAZENDO UM BARULHO NOJENTO QUE ME NERVA SÓ DE DESCREVER.

O que me restou disso tudo foi ligar pro meu Pai e pedir pra ele jogar no bicho, na borboleta. E também tentei ligar pra Mazé pra deixá-la avisada que aquele bicho está no quartinho do fundo e pedir à ela, por favor, para MATÁ-LA! Sim, pq se eu depender do bunda do meu irmão, a MARIPOSA NOJENTA PODE TOMAR CONTA DA CASA PQ ELE NÃO FAZ PORRA NENHUMA!

E não me venham dizer que se trata de uma visita especial. VISITA ESPECIAL DE MARIPOSA PRETA ENORME É O MEU CU!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Xô tristeza. VAMOS CELEBRAR!

O dia de ontem foi muito chato. Recebi uma notícia que me deixou preocupada e um pouco triste.
Hoje, a mesma coisa. Meio deprê, meio sem saco, sei lá... odeio final de ano, gente. Detesto. Aí vem uma notícia preocupante e piora tudo.
Chorei ontem e hoje me segurei. No metrô, algumas lágrimas me escaparam. Mas eu estou sabendo superar. Eu sei que tudo vai dar certo e já estou pedindo muito para que o melhor aconteça!

Hoje, pra aliviar, cheguei em casa e coloquei uma música bem alegre no volume máximo. Aquela capaz de te fazer sorrir e analisar que a vida vale a pena. É essa:




"Eu gosto de andar pela rua
bater papo, de lua e de amigo engraçado
Eu gosto do estilo do Zorro
o visual lá do morro e de abraço apertado
Eu gosto mais de bicho com asa
mais de ficar em casa e mais de tênis usado
Eu gosto do volume, do perfume
do ciúme, do desvelo e do cabelo enrolado

Eu gosto de artistas diversos
de crianças de berço e do som do atchim
Eu gosto de trem fora do trilho
de andar com meu filho e da cor do marfim
Tem gente, muita gente que eu gosto
que eu quase aposto que não gosta de mim
Eu gosto é de cantar

Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar
Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar

Eu gosto de artista circense
de artista que pense e de artista voraz
Eu gosto de olhar pra frente
de amar pra sempre o que fica pra trás
Eu gosto de quem sempre acredita
a violência é maldita e já foi longe demais
Eu gosto do repique do atabaque
do alambique badulaque do cachimbo da paz

Eu gosto de inventar melodia
da palavra poesia e de palavra com til
Eu gosto é de beijo na boca
de cantora bem rouca e de morar no Brasil
Eu gosto assim do canto do povo
e de tudo que é novo e do que a gente já viu
Eu gosto é de cantar

Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar
Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar

Eu gosto de atores que choram ali por nós
e namoram ali por nós na TV
Eu gosto assim de quem é eterno
de quem é moderno e de quem não quer ser
Eu gosto de varar madrugada
de quem conta piada e não consegue entender
Eu gosto da risada gargalhada
da beleza recriada pra que eu possa rever

Eu gosto de quem quer dar ajuda
e acredita que muda o que não anda legal
Eu gosto de quem grita no morro
que a alegria é socorro e que miséria é fatal
Eu gosto do começo do avesso
do tropeço do bebum que dança no carnaval
Eu gosto é de cantar

Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar
Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar

Eu gosto é de ver coisa rara
a verdade na cara é do que gosto mais
Eu gosto porque assim vale a pena
a nossa vida é pequena e tá guardada em cristais
Eu gosto é que Deus cante em tudo
e que não fique mudo morto em mil catedrais
Eu gosto é de cantar

Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar
Vamos celebrar, celebrar, celebrar... Vamos celebrar"

Vamos Celebrar - Oswaldo Montenegro

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Carta de um São Paulino ao Sport Clube Corinthians Paulista

O texto abaixo é de autoria do meu irmão. Ele postou em seu Facebook, mas achei a parada tão bacana que resolvi ceder um espaço para ele aqui em meu blog.
Imagino como deve ter sido emocionante para ele voltar à um lugar que o marcou tanto. Ele sempre lembra desses momentos.
Eu vivi pouca coisa na Rua São Jorge. Era muito pirralha e não tinha dimensão da coisa. Tenho algumas fotos de biquini, com baldinho nas mãos seguindo rumo ao Sport Clube Corinthians Paulista. Lembro que aquele título de sócio era como uma relíquia pra minha mãe. Esses dias encontrei a carteirinha de sócia com o nome dela.

Bom, o texto fala de Corinthians. E acho que pode fazer parte das comemorações do Centenário do clube.

***

"Passei a tarde de domingo no Corinthians (construindo o perfil de um atleta para uma reportagem). Há 20 anos que não frequentava o clube; fiz isso por uns 15 anos na infância e adolescência. Morei na 3ª casa da Rua São Jorge, a 20 passos do clube. Era sócio do Corinthians. São-paulino, fiz campanha pro presidente Vicente Mateus (aquele do Lero-Lero). Ali, defendi o
clube jogando Futsal, Futebol de campo e Basquete.

De forma amadora, disputei campeonatos de Peteca, Tamboréu, Tênis e Natação. Apelido: Formiga. Tamanho na época: 1,60 (tá explicado?) Acordava e ia para o clube às 8h – todo dia. Ali, ficava até o almoço. Apitava jogo de vôlei (com 12 anos) dos coroas, nadava, jogava sinuca e ganhava uns lanches de umas madames joiadas que me bajulavam dizendo que “eu tinha olhos verdes bonitos”. Vai vendo se elas eram ligeiras!
À noite, eu ia pro colégio e, depois, voltava pro clube para correr atrás de uma bola qualquer.

Bom, a primeira sensação ao retornar foi ver que algumas já não são impressionam como antes. O trampolim e o ginásio já não parecem mais tocar o céu – uma pena! Mas muitas coisas estavam do mesmo jeito. O forno onde os banhistas tomavam sol tava lotado; a piscina meia-lua, vazia, o
pagode no bar do Ginazião comendo solto. As traves das quadras descobertas ainda são feitas da junção de canos de ferro (encontrei, em uma delas, uma marca que cravei com uma chave,
após um treino). E, claro, estavam lá “tia” varizenta desfilando de biquíni e pochete e os “nóinha forgado” andando como se batesse asa pra voar. É Zona Leste maluco! Deu sede. Tomar água no bebedouro – que ainda era do mesmo jeito – foi como assistir a um filme.

Lembrei da minha mãe. A única corinthiana da família que, sábia, ficava na neutralidade dentro da nossa casa para não desagradar a família são-paulina (eu, meu pai e minha irmã). Aquela era sábia! Minha mãe tinha como amigos o Valdir Perez, o Biro-Biro, o Márcio Bittencourt, jogadores do Corinthians que faziam um pit-stop em uma locadora de vídeos vizinha da nossa casa.

Eu via esses caras direto. Na Fazendinha, eu ficava na arquibancada devolvendo para o campo as bolas que uns pernas de pau chutavam longe, tipo a porca do Neto. Bom, aproveitei que estava no clube e fui atrás pra saber a quantas andava o título patrimonial do meu pai. Lembro até hj o nºda matrícula: 200.659. Teria de pagar R$ 1,3 mil pra regularizar tudo e transferi-lo
pro meu nome. Deixa quieto. Decidi que, do Corinthians, quero que fique na lembrança as histórias da infância e da adolescência. Não quero que outra passe por cima daquelas. O rolê de 6hs que fiz esse domingo já havia feito valer o dia.

Moro na Zona Leste; me criei lá. Tenho o espírito do lugar onde o Corinthians tá erguido: Tatuapé. Ainda moro nesse bairro, um lugar com uma atmosfera que parece não permitir que a urbanidade chegue de vez. Sou nostálgico como muitos aqui – coisa de português tb, eu sei. E quer saber: acho isso tudo que me circunda bom pra minha sanidade. Com o meu time em baixa no futebol, fazia tempo que um clube não me emocionava num domingo à tarde. Salve o Corinthians!"

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Pérola Pronta on Twitter

Meu Pai me ligou ontem à noite:

-Filha, fala pro Digo postar amanhã mais uma pérola minha na internet, tá?! Pq a gente vai ganhar dinheiro com isso.

É isso aí mesmo, meu povo. Criamos um perfil no twitter pra divulgar muita cultura e entretenimento para todos vocês. Pérolas do meu Pai, da Mazé e do Tio Lula podem ser lidas neste link: http://twitter.com/perolapronta

É só seguir e ser feliz!

Desabafando

Eu nem sei explicar pra vocês o que eu sinto, então nem vou tentar. Daí Nêgo vem aqui, vai me chamar de Mayara Petruso, me processar, vai cagar mil e uma regras e a porra toda. Então, deixa quieto.
Mas assim, se eu quiser fazer alguma ação ou um bem social, por favor, eu faço. Mas só faço quando me der vontade, beleza? Não adianta me empurrar guela abaixo que não funciona.
Eu não aguento chilique, não aguento piada fora de hora, não aguento intromissão nas minhas conversas. Por mais problemático que a pessoa possa ser.
Pergunta se a pessoa rasga dinheiro. Pergunta se não sabe o caminho de casa. Ah, então vá pra merda.
E eu aqui, com dor de cabeças desde às 21h de ontem e tendo que aguentar "zumzumzum" no meu ouvido logo cedo. Aí eu sou xucra, respondo atravessado, finjo que não tô nem aí... mas eu tô. TÔ PUTA!
E pra finalizar: quem quer fazer ação social, integrar fulano na sociedade, que aguente tudo que está por vir, né?! Quem pariu Mateus, que balance o berço - na minha terra funciona assim.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mi Buenos Aires Querido!

Gente, sei que já passou uma semana, mas nunca é tarde pra dizer que minha viagem para Buenos Aires foi maravilhosa, ao lado de companheiros agradabilíssimos e com passeios deliciosos.
Não dá pra postar tudo aqui [oi, tô com preguiça de dar notícia velha], mas montei esse muralzinho com algumas fotos, só pra constar aqui.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Jogo do Bicho


Cara, eu não tenho mania de jogar no bicho. Não mesmo. Meu Pai sempre fala que se um dia eu sonhar com bicho ou número, que devo avisá-lo na hora. O velho é ligado nessas paradas, sabe? Toda vez que temos um novo número de telefone (fixo ou celular), ele pára, analisa as combinações e nos dita uma maneira simples de decorar nosso mais novo número.

Bom, na quarta-feira eu sonhei com bicho e com número. Sonhei que ganhava um gato branco de presente. No sonho, aparecia meu irmão e a Claudia, uma amiga minha que ama gatos e que tem três lindões em sua casa. Não sei quem me dava o gato de presente, mas sei que um cara aparecia e me perguntava se eu queria um gato prontinho pra ser cuidado, vacinado, de banho tomado e a porra toda. Eu disse que sim e o moço me disse: "Ok, então vai custar R$ 1.100,00."

Não sei do que se tratava e nem o pq de ter sonhado com o bichano custando esse valor e sei lá pq também, mas liguei pro meu pai e contei o sonho:

- Pai, sonhei com gato e que ele custava R$ 1.100,00. Tem como fazer um joguinho no bicho pra mim?
- Claro filha, é pra já!

Bom, só por desencargo de consciência, a aposta foi feita na quarta.
Quinta-feira viajei para Buenos Aires, e na sexta-feira, ao abrir meu e-mail, me deparo com a seguinte notícia dada pelo meu irmão:

"Vou te dar uma notícia.
Vc sonhou com gato, né? Sonhou que tinha pago 1.100 por um, né?
E mandou o pai jogar no bicho, certo?
Ele jogou. Número 11 e 54 que é do gato. Aí, jogou, então, R$ 5 no nº 1154, do 1º ao 6º prêmios.
E deu na cabeça, sabe o que? GATO!!!
Só que advinha o nº que deu. Anota: 1100, hauhauhauha
Ou seja, vc se fodeu!
Deixou de ganhar R$ 10 mil porque seu pai jogou 1154 e não 1100.

Chorei de rir!
1bj"

Cara, eu não entendi bosta nenhuma do que saiu, do número do gato ser 11, do pq dele ter jogado no 54, de apostar cincão no 1º ao 6º prêmio e etc e tal... Só sei que meu Pai é um português buuuuuuuuuuuuuuuurro da porra, mano!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Como pode, gente?!?!?! Eu sonho com o bicho certo, com o número certo e o cara vai e me aposta no número errado. 54 números a mais do que eu havia sonhado.
Era tão simples, cassete. Era só jogar no GATO e no 1.100. Cadê a dificuldade nisso?

O que eu faço, agora?!?!?!
Sabe quando eu vou sonhar com o bicho e com o número exato de novo?
É de foder, viu?!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Eu S2 Metrô de São Paulo!

Ai sabe, se tem uma coisa que eu queria muito que acontecesse nessa vida era ver o nosso prefeito Gilberto Kassab pegando metrô entre às 8h da manhã e às 18h, durante uma semana. Uma semaninha só, vai... não mata ninguém. A gente enfrenta esse CAOS por anos e anos, o que é uma semaninha, né gente?!
Mas tem que ser no horário bão, no rush mesmo. Não me venha fazer campanha em metrô às três da tarde como ilustra a foto ao lado, né?! Sifudê!

Cara, é impressionante como o trabalhador brasileiro sofre. Seja nas ruas, enfrentando um baita trânsito caótico ou então utilizando o meio de transporte público. Não dá pra saber o que é pior.
Só sei que um dia essa cidade vai encaralhar toda e ninguém vai escapar. Vamos todos ficar presos em um trânsito que vai durar dois dias seguidos, igual aconteceu em uma cidade aí que não lembro qual foi agora.

E aí? Ninguém faz nada? Ninguém faz obras, pontes, anéis, túneis ou sei lá o quê pra fluir o trânsito, né?! [Oi, sinto saudades das obras do Dr. Paulo Maluf!]. Sim, pq muitas pessoas preferem ir ao trabalho utilizando os meios de transporte com a intenção de gastar menos gasolina, menos paciência e, de quebra, chegar mais rápido. LEDO ENGANO!

Isso pq as obras para a criação das novas linhas de metrô viraram lenda e até agora nada se fez. Pelo contrário, colocaram mais trens pra circular achando que seria a solução. Tudo errado! Agora o metrô anda mais devagar ainda pq tem sempre que "aguardar a movimentação do trem a frente". O trânsito já chegou até embaixo da terra, amigues, vejam só!

Sem contar as merdas que você tem que ouvir, sabe? "Pessoal, não fiquem na região das portas, isto causa atrasos", CARALHOOOOOS, ONDE EU VOU FICAR DENTRO DESSE METRÔ BOMBADO?! Gente, é uma coisa óbvia, né?! Se eu tô na porta é pq eu não consigo ficar no corredor.
"Só ultrapasse a faixa amarela quando o trem abrir as portas", faz todo o sentido. Mas não na estação Sé, no horário de pico. A avalanche vem lá de trás e você não consegue conter. Eu não sei explicar como as pessoas não caem na via, não sei mesmo. É tanto empurra-empurra que uma hora dessas vai dar merda [e pode dar merda comigo, inclusive!].

Sem falar que o Brasil, um país tropical, onde a maioria dos trabalhadores "braçais" precisam do trem para irem embora e não contam com ventilação adequada. Gente, é necessário ar-condicionado COM URGÊNCIA nos trens. Não é luxo, não... é questão de sobrevivência, de saúde pública, sabe?
Fico imaginando os idosos, as gestantes, os portadores de deficiência e as mães com crianças de colo passando por tudo isso. Eu, uma simples cidadã já passo mal. Ando munida de leque, álcool em gel e sachês de sal ... imagine alguém debilitado de verdade.

Mas olha, sempre tem gente em estado pior do que você nessa vida. Não sei se serve de consolo, mas a situação na China é MIL VEZES PIOR. Os moradores do país mais populoso do mundo também sofrem ao embarcar no metrô, gente. E sofrem de verdade.
Olhando este vídeo abaixo, eu levanto a mão pro céu e tenho até vontade de abraçar nosso prefeito, viu?! Putaquemepariu... o que significa estes guardinhas da plataforma que são contratados e pagos pra te empurrar trem a dentro??
Olha, nem sei do que eu seria capaz de fazer se um japa desses resolve me empurrar pro furdunço. JURO QUE NÃO SEI, BRASIL!


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Faz-se carreto!

Então gente, como eu vou viajar para mi Buenos Aires querida nesta quinta-feira (11/11), tratei de comprar umas roupitchas novas, né?! Comprei, mas não paguei. Peguei fiado na "lujinha" da esquina e perguntei ao dono se o pagamento poderia ser "só paaaaaaaaaa janeeeeeeeeeeero", estilo Silvia Design!
Bom, as compras foram feitas e o pagamento não foi efetivado, mas acabei de ir até lá com o intuito de honrar meus compromissos. Só que ao invés de pagar, eu recebi, olha só...

- E aí, quando você viaja? - me disse o dono da lujinha, meu parça, mlk doido.
- Vou nesta quinta-feira. Mas quanto é que eu te devo?
- Quanto deu sua conta mesmo? - o cara nem lembra das paradas, véi!
- R$ 130,00
- Ó, faz assim: leva mais R$ 100,00 e me traz um Red ou Black e tá tudo certo.

Pronto, gente. Vou pagar minha compra na lujinha fazendo carreto de cachaça pro dono. Legal, né?!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Pq não eu?

Minha Nossa Senhora da Bicicleta, dai-me equilíbrio!
São 17h, de uma sexta-feira e me deparo com a seguinte notícia: "Idosos ganham US$ 11 milhões na loteria e doam prêmio".
Cêis entenderam? Idosos. Ganham. US$ 11 milhões na loteria. E doam prêmio. MORRI!

O casal gentil é do Canadá. A múmia mulher tem 78 anos e o véio senhor tem 75. Decidiram doar a bolada pq não sabiam o que fazer com o dinheiro. Aí, rodaram a província de sei lá da onde no melhor estilo Silvio Santos: dando dinheiro a torto e a direito, oooee! Se pá perguntavam: "QUEM QUER DINHEIROOOOOOOOOOOO" pra galere, só pra dar mais pano pra manga.
Aí declaram que não vão sentir saudade da grana pq não tem como sentir falta daquilo que nunca tiveram. E pra finalizar desmerecendo o prêmio, dizem que o que basta mesmo nessa vida é terem um ao outro.

AAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH, que meigos!
Genteee, acorda, né?! Putaquemepariu. Pra quê isso?

Não me venham com hipocrisia, dizendo que o gesto é lindo, é filantrópico, que visa ajudar o próximo e blablabla pq não é bem assim.
Porra, se não quer o dinheiro, pra quê foi até a maldita lotérica e fez o jogo? PORRA!
Se não tem onde gastar, pq apostou?
Se o dinheiro não importa e o que vale mesmo é estar vivo, pra quê pagou pelo bilhete?

É bonito doar? É lindo, concordo. Quer doar, doe, sem problemas, mas se você doar um agasalho, um alimento, um sapato, seja lá o que for, o ato é o que importa e não o tamanho da ação.
Pôxa, ajude uma, duas, até três instituições, mas DOAR TUDO?

Se eu ganhasse na Mega Sena, a primeira coisa que faria seria comprar uma casa pro meu pai, pra Mazé e pro meu tio avô Lula. Isso é fato! Posso até ajudar uma instituição também, mas é só. Que isso... ganhar o prêmio e doar a parada é sacanagem, beira a loucura e falta de noção!

Olha, cada um faz o que quer da vida, quem sou eu pra julgar, mas minhas pernas estão trêmulas aqui. Meu Pai eterno.
Deus dá asa pra quem realmente não sabe voar. A verdade é essa.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Diálogos essenciais

Cena 1

Na quarta-feira de manhã, sentei para tomar café com a Mazé como de costume. Comi o bom e velho café com leite e um pãozinho na chapa.
Minutos depois fui até a geladeira, peguei meu danone e minhas fibras. Tava precisando, gente. Patrícia Travassos já estava me assombrando durante a noite. Mazé me fitou e aí começou a conversa:

- Preciso de fibras, minha véia. Não vou ao banheiro desde domingo.
- Virgiminhanossasenhora!
- Pois é, mas com isso aqui é tiro e queda.
- Mas pq você não usa aquele supositório do Digo?
- Hein?
- É um instantinho. Você coloca e vai direto pro banheiro
- Quê?
- Ele derrete, Nina. Não dói
- Tchau Mazé!

***

Cena 2

- Filha, onde é que o Bruno mora mesmo?
- Na Bela Vista, Pai. Perto do viaduto Maria Paula, na rua Santo Amaro que fic...
- Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, sim. Rua Santo Amaro. CONHEÇO!
- Sério Pai? Você já foi naquela rua?
- Já fui. Foi lá que perdi minha virgindade
- Oi? Como assim?
- Ué, foi lá que eu, com 17 anos, paguei uma noite com uma véia pra eu deixar de ser menino
- Você foi em um puteiro naquela rua?
- Puteiro, não. Paguei uma véia só e fui lá.
- A-ah...
- E aí foi isso. Pãtaquepariu, que dinheiro mais mal gasto. Mas eu precisava disso pra perder o medo, Filha. Pq depois disso.... VIIIIIIIIIIIIIIIIIXXXXXXXXXXXXXEEEEEEEEEEEEEE!!!!

Ah, que bom pra ele, né?!

***

Eu sou o mensageiro

Dia desses comprei um livro por acaso na Blockbuster (sim, Blockbuster!). Duas coisas me chamaram a atenção. Em primeiro lugar, o autor. Markus Zusak também escreveu "A menina que roubava livros" e eu simplesmente amei esse livro. Segundo lugar, o preço.
Por míseros R$ 19,90 pude ler um dos livros mais especiais de minha vida: "Eu sou o mensageiro".

Nunca gostei tanto de um cara igual gostei do Ed Kennedy, o anti herói da história. Cheguei até a me identificar com ele em alguns momentos.
Nunca quis tanto conhecer uma pessoa como desejei conhecer Audrey, a amiga e a paixão de Ed.
Senti vontade de rir ao lado dos dois melhores amigos que ele tinha.
Amei um cachorro fedorento viciado em café chamado Porteiro.

Fiquei curiosa, com vontade de chorar, gargalhei, parei em certos momentos da leitura e me peguei analisando tudo aquilo que o cara falava. Entre gírias e palavrões, Ed narra sua missão. Ele não sabe pq foi escolhido e nem qual o propósito, mas cumpre suas tarefas com maestria.

Não consigo definir se prefiro a missão da carta de Ouro, de Paus, de Copas ou de Espadas. Adorei todas, cada uma com propósitos diferentes e emocionantes.

A velhinha que sempre esperou por ele, a mãe que desejava apenas um sorvete, a menina que corria sem confiança em si, a família que sofria abusos, o padre sem esperanças, os irmãos que se detestavam, a família que esperava por luzes no Natal, o velhinho dono de um cinema que não tinha a quem vender um ingresso e por fim, a amargura que sua mãe carregava.
Ele deu alegria e sentido à vida de todas essas pessoas desconhecidas, mas também ajudou seus três melhores amigos: Marv, o mão de vaca, Ritchie, o preguiçoso e Audrey, sua paixão.

Um cara de 19 anos, taxista, fracassado, perdeu o pai alcoólatra, atura uma mãe ranzinza, tem irmãos ausentes, mora sozinho ao lado de um cachorro de 17 anos. Este é Ed Kennedy, o cara que também me deu alegrias e serenidade.

"Estou sempre me perguntando 'e aí, Ed, o que você fez de útil nesses 19 anos de vida?' A resposta é simples: porra nenhuma."

Que saudade que tenho dessa leitura e das sensações que ela me causou.

Obs1.: A foto foi copiada deste Flickr. Achei linda e me vi nela :)
Obs2.: A foto que uso no meu perfil deste blog tem um "quê" de Ed Kennedy. Nem conhecia, mas já amava!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Qual é o seu tipo sanguíneo?

O meu? Desculpa gente, mas eu não sei.
Tenho 27 anos e não sei se sou A, B, AB ou O. Positivo ou negativo. Não sei nada!
Tenho uma carteirinha do pediatra, querido Dr. Sergio [aquele que ensinou a minha mãe a não me forçar a comer aquilo que não queria!] que tem meu tipo sanguineo. A parada vivia na minha gaveta, mas hoje eu fui procurar e cadê? Hoje à noite vou vasculhar minha casa atrás dessa informação, estou muito curiosa.

Louca das ideias, fui atrás deste dado com meus parentes próximos. Comecei pelo meu irmão:
- Rodrigo, qual seu tipo de sangue? - escrevi em um e-mail.
A resposta veio como suspeitei:
- O meu é B, acho que positivo, também não sei ao certo.

Bom, vou ligar pro meu Pai, né?! Se ele pelo menos lembrar o dele, já ajuda na busca.

- Oi Pai, qual é o seu tipo de sangue?
- Aaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhh tááááááááááááááá! - tipo, me zuando pra caraleo!
- Como assim, Pai? Você não sabe seu tipo de sangue?
- Filha, eu sei que é um sangue meio ruim, serve?
- E agora Pai, como eu faço pra saber?
- Faz um exame de sangue, ué! Se bem que do jeito que você é cagona...

Gente, socorro! Preciso achar a carteirinha do Dr. Sergio ou vou morrer do coração! Tenho quase certeza que sou O+, mas preciso ter certeza.

Se bem que estava analisando as paradas e acho estranho meus pais não saberem meu tipo sanguineo. Minha mãe, se estivesse viva, também não saberia me responder essa pergunta, aposto. É de família a falta de informação!

Me contaram que quando criança, tive uma hepatite fudida. Zuou todo meu fígado e eu passei meses comendo só doce. Aí eu perguntava: "Mas eu tive hepatite A ou B?" e a cara de paisagem reinava...
Porra, ninguém sabe me dizer o que aconteceu!

Eu vou descobrir meu tipo de sangue, gente. Nem que eu tenha que picar a ponta do meu dedo em um laboratório de ciências de uma quinta série qualquer e usar um reagente [ideia sugerida pelo meu namorado sábio que sabe seu tipo de sangue].

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Capitão de Indústria

Eu às vezes fico a pensar em outra vida ou lugar. Estou cansado demais.
Eu não tenho tempo de ter o tempo livre de ser, de nada ter que fazer.

É! Quando eu me encontro perdido nas coisas que eu criei e eu não sei.
Eu não vejo além da fumaça, o amor e as coisas livres, coloridas, nada poluídas.

Ah... Eu acordo prá trabalhar. Eu durmo prá trabalhar. Eu corro prá trabalhar.
Eu não tenho tempo de ter o tempo livre de ser, de nada ter que fazer.


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Eu vou falar o quê?

Deixa eu falar...

Ontem, uma moça aqui do trabalho que eu nem sei o nome, mas que tá sempre por perto urubuzando fazendo sei lá o quê me disse que beber muita água faz mal. Isso mesmo. BEBER ÁGUA FAZ MAL, GENTE!

Eu, boquiaberta quis saber mais sobre o assunto. Aí ela me falou algo assim: que tudo em excesso faz mal e com água é a mesma coisa. Eu disse que, pra mim, água fazia bem, pq evitava pedra no rim e outras cositas más, e mesmo assim ela insistiu. Disse que não podemos exagerar pq aí sim a pessoa pode ter algum problema no rim.

Eu olhei bem pra ela e falei: "Então tá jóia". Pq né, vou fazer o quê se eu bebo uns 750 ml de água só aqui no trabalho e vou ao banheiro fazer xixi umas 10 vezes.
Acho que meu fim está próximo. A causa mortis é: bebi muita água, fez mal e eu morri!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

CHATO +

Exemplo de comentário chato para o dia mais chato do ano:

"Putz, odeio horário de verão. Perdi uma hora de sono e vou ficar quebrado o dia todo!"

Parem de ser chatos, babacas e exagerados pq não é pra tanto.
Quer dizer, quando vocês vão pra balada e perdem umas quatro horas do seu sono é diferente?

Puta povo chato reclamando de coisa que não faz sentido. Só deixa o dia mais boring!
CHATOS!

CHATO!

Sabe quando você acha tudo chato? Então, eu tô assim hoje.
Dia chato, gente chata, trabalho chato, rotina chata, internet chata, chuva chata. Eu, hein?!
Não quero ser sugada por isso, mas hoje, realmente, está tudo muito chato!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

- Alô, Nina?! Ah, você ligou mas eu esqueci de te falar uma coisa: Feliz Dia das Crianças, tá?!

♥ Mazé!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

70 anos de John Lennon

Meu Pai sempre amou o John Lennon. E eu, quando criança e pouco sabia sobre o cantor, achava esse gosto estranho. Pq na minha cabeça, o cara mais foda dos Beatles era o Paul McCartney. Sei lá, acho que pq ele era o vocal mais evidente da banda e também pq quando o John morreu eu nem tinha nascido.

A verdade é que o tempo passou e eu pude perceber que John Lennon era o cara. Já declarei meu amor por ele aqui no blog e não me canso de falar. Gênio, lindo, poeta, engraçado, criativo, TUDO NA LIFE!

Amanhã, Lennon completaria 70 anos. Imaginem só se esse cara estivesse vivo e ao invés de show do Paul no Morumbi, tivéssemos ele? Tive um lapso de felicidade agora e uma lágrima rolou em minha face [miimimimimimimi].

Se aquele FDP que se dizia ser fã do cara não o tivesse matado, tenho certeza que John estaria vivão e vivendo, pregando a paz e esbanjando charme até mesmo na terceira idade e a fila do INPS.

Hoje o Google homenageou o cantor em sua home. Um botão com o PLAY tocava um trecho de "Imagine" pra quem quisesse ouvir. Achei genial. Homenagem digna para um cara que sempre foi super criativo e autor das mais belas canções que já ouvi na vida.
Uma perda irreparável, mas tenho certeza que o cara será sempre lembrado. Ele é o tipo de pessoa que o pai faz questão de contar a história pro filho, depois pro neto, bisneto, e assim vai... E foi assim comigo.

Só tenho uma coisa a dizer: Seu Toninho tinha razão!

Obs: Abaixo, umas das minhas canções e um dos meus vídeos preferidos de John. A japonesa louca que não sorri aparece de fundo, tricotando com os olhos vendados.
Sabe, às vezes eu critico tanto a japa da xixa invertida, mas vai saber se ela fazia bem pra ele, né?! Eu só queria que ela fosse mais simpática...

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Diário de bordo

Odeio avião. Detesto.
A viagem já começa sinistramente quando você tem que informar um contato para caso de emergência. Pq hein?! Essa porra pode cair, é isso?
MERDA! Quando a gente viaja de carro, de trem ou de metrô não é necessario preencher coisa nenhuma desse tipo.

Depois me deparo com assentos flutuantes e máscaras de oxigênio. Peraí, essa porra pode cair e pode ser no meio do mar, inclusive, é isso? Me explica, gente!
Vocês acham mesmo que a galere vai flutuar em alto mar em cima daquele assento? Não me engana, vai.

E aquela asa gigante? E aquela turbina? Quanto pesa essa parada? Imagina o impacto se esse bichão cai no chão? Como isso levanta vôo?
Tudo isso se resume em uma só palavra: IMPOSSÍVEL!

O Sr. Santos Dummond é um caralho. Como me inventa um cassete desses assim, do nada? Pra quê?
Concordo com Vovó Ritinha Lee quando ela fala: "Eu não acredito em avião, é uma carroça voadora medieval: parafusos, reloginhos, máscaras d oxigênio, bóias, gasolina, trens de aterrisagem...". Eu também não, Rita. Eu não acredito, somente desconfio.

Mas, fazer o quê, né?! Tem que voar. Ou então, iria pra Fortaleza em um pau de arara e chegaria no Congresso três semanas depois. Não dá, obrigada!

***

A viagem foi sussa, tranquila. Algumas turbulências e tals, mas quem não estava sussa e nem tranquila era eu. No total, seis horas e 40 minutos on air, demais pra mim. Quase sete horas de músculos duros e tensos. Dentro da aeronave, um frio do cacete, mas minhas axilas vertiam suor. Mãos geladas, pernas trêmulas. Eu preciso passar por isso, Brasil? Preciso mesmo?

***

Na ida, meu companheiro do lado direito era humorista do Ceará. Seu nome artístico era PEPETA. Me passou seu msn e orkut. Tipo, parça, mlk doido mesmo. Fomos resenhando quase que o caminho todo (estou mudando meu vocabulário. Agora falo igual o Neymáscara e o Zé Love, jogadores do Santos FC).

Pepeta ria que se mijava do meu desespero. E eu puta. Falei: "Rapaz, não ria de meu desespero não, pu favô", com sotaque cearense pra causar mais familiaridade.

Do outro lado da poltrona (sim, estava no meio) estava um senhor de Sobral (uns 200km de Fortaleza) que percebeu meu desespero e disse: "Por mim, esse avião pode cair. Ele não é meu mesmo!". Tipo, né?! Ajudou pra cassete. Aí ele finalizou com um "fique tranquila, se cair, tú não sente nada. É fatal!". PRONTO!

***

Na volta, sentei na janelinha (yes, olhei tudinho!). A cadeira do meio estava vaga. Adorei pq pude pôr o pé na poltrona e tals. Na cadeira do corredor, uma senhorinha com um terço na mão veio rezando o rosário o caminho inteiro. Não sei se eu ria ou chorava. Fiquei até meio assim de rezar também e pedir proteção pra Deus pq né, a Tia já estava fazendo isso com tanto fervor que fiquei com medo de atrapalhá-la e confundir nosso Senhor Jesus com tantos pedidos de proteção.

***

Fortaleza continua linda. Ensolarada às seis da manhã e com aquele povo lesado mais lindo de todo o mundo. Como eu amo aquele lugar!

Pena que não deu pra aproveitar muito. Só trabalho e avião. Voltei com o cuduro!

E pra finalizar vos digo: Comi uma carne deliciosa (que não era a da Pedra, mas tudo bem) e tomei meu sorvete preferido: BROWNIE (e não Muffin como escrevi no post abaixo. Burra).

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Gritando de alegria

Liguei pro meu Pai pra avisar que viajo pra Fortaleza amanhã:

- Pai, amanhã vou pra Fortaleza
- Fazê o quê?
- Vou trabalhar em um Congresso
- Aaahhhh, que chiiiiiiiiiiiiiiique, como você tá metida, filha!
- É. Pois é, Pai
- Noooossa, que articulada! Você não era assim, hein?!
- É Pai, verdade mesmo
- Nooooooossa filha, que beleza. E o Bruno?
- Que tem?
- Deixou você ir?
- Como assim "deixar", Pai?
- Ai meu Deus, não se faz mais homem como antigamente
- ....
- Mas e aí, tá precisando de segurança? Se precisar, chama o véio aqui. Eu tô meio passado mais ainda guento o baque
- Será Pai?
- Aaaah, vem pra cima, então!
- Hahahaha!
- Ah minha filha, vai com Deus. Boa sorte na sua vida, na sua carreira profissional. Boa viagem e que Deus te acompanhe (neste momento ele grita ao telefone)
- Tá bom Pai, mas não precisa gritar desse jeito pra falar no telefone
- Isso é a minha alegria, tá?!

Então tá! O cara tá orgulhoso e alegre por eu ter que fazer um bate e volta em Fortaleza para TRABALHAR, Brasil. Deixa ele, né?! Melhor nem se aprofundar no caso... E sim, ele me chamou de articulada!

RUMO A FORTALEZA

Rapaiz, pense numa pessoa que tá se borrando de medo de andar de avião? Pronto! Sou eu.
Amanhã vou pra Fortaleza a trabalho. Uma pena que é a trabalho.
Mas como chego cedo na cidade, vou ligar pra uns abestados conhecidos e aproveitar a noite. Tô com desejo de comer uma deliciosa Carne na Pedra e de tomar um sorvete sabor Muffin na sorveteria de 300 sabores.


quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Novas aquisições

"O enxadão da obra bateu onze hora / Vamo simbora, João / Vamo simbora, João!"

Tá acabando minha gente, tá acabando. Pelos cálculos do meu irmão, só mais 10 dias de reforma.
Paredes com cores e texturas diferentes, novas lâmpadas e cama zerada. Daqui a pouco teremos um novo sofá, novo jogo de panelas, novo armário pra cozinha, uma bancada pra computador na sala e um portão de outra cor. Que legal! Minha casinha está ficando uma belezinha, do jeito que escolhemos.

Esse ano eu comprei coisa pra cassete. Carro, naitibruiti notebook, Nextell e uma cama. Tá bom pro cêis?
Cara, o que mais me irritava era a minha cama. Durmo nela desde meus, sei lá, 12 anos. Não dava mais. Nem pra cama e nem pro colchão, ambos pediram arrego faz tempo. Tinha um calabouço no meio da parada, eu era sugada por ela toda noite e quando acordava, minhas costas tinha o formato de um S maiúsculo.
Tava até pensando em virar FAQUIR, pq né, dormir naquilo ali e em uma cama cheia de pregos dá na mesma. Mas enfim, a tortura acabou. Hoje repousarei minha carcacinha em um novo colchão de uma cama box de solteiro.

É gente, de solteiro mesmo. Pra quê eu vou comprar uma cama de casal se eu durmo sozinha? Peso 50kg e tenho 1,56 de altura, não preciso mais do que isso, não.
O povo acha estranho eu ter comprado cama de solteiro, mas gente, eu sou solteira! O dia em que eu casar com o meu mino, aí sim, é cama de casal. E eu nem vou precisar comprar pq o Bruno já tem uma cama de molas que é sensacional (sem maldade, povo, tô falando da cama!).
E outra, o pessoal também acha estranho quando falo que divido o quarto com o meu irmao. Não sei pq o espanto. Dormi a vida toda com o Rodrigo, nunca tivemos problemas (tirando os roncos, as flatulências e minhas crises de rinite). A gente quase sempre conversa um pouco antes de dormir e planejamos o despertador para o mesmo horário. Fica até mais fácil de decidir a ordem de usar o banheiro na manhã seguinte e tals... A coisa mais normal do mundo! Qual é o problema de vocês? Povo chato, eu hein?!

Bom, se existe uma coisa que eu quero muito que chegue logo é o último dia dessa obra maledeta. Já tá no fim, "um pouco mais de paciência", já diria Lenine e pronto. Tô na contagem regressiva.

Depois disso, vou começar a contar os dias para a minha viagem à terra de El Pibe de Oro: Don't Cry for me, Argentina! Uhuuuuuuuuu!
Ah, contabilizem essa viagem nas minhas compras de 2010 também. Abençoada seja a calcinha amarela usada no Reveillón, aquela linda!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

DESABAFO!

DEUS DO CÉU, ME RESPONDA PQ EU RECEBO TANTOS CONVITES DE CASAMENTO EM UM ÚNICO ANO??
QUAL A NECESSIDADE DE ALGUÉM CASAR NO DIA 10 DE OUTUBRO, DOMINGO, ÀS 11H30 DA MANHÃ, NO EXTREMO LESTE DO LADO LESTE?
PRA QUÊ UMA AMIGA DE PORTO FELIZ DECIDE CASAR NO DIA SEGUINTE AO CASAMENTO CITADO ACIMA, DIA 11 DE OUTUBRO, VÉSPERA DE FERIADO E MAIS LONGE AINDA?

O ANO TEM 365 DIAS, PARECE QUE ESSAS DUAS COMBINARAM DE JUNTAR AS ESCOVAS DE DENTE TÃO PERTO ASSIM.

E EU, FICO COMO? ENLOUQUECIDA ATRÁS DE ROUPA. EMPOBRECIDA DE TANTO COMPRAR PRESENTE. MAQUINANDO NA CABEÇA O DIA QUE TENHO QUE IR NA DEPILAÇÃO. PENSANDO EM COMO CHEGAR NA HORA MARCADA LÁ NO C* DO JUDAS.

É MUITO DESGASTE, VIU?! MAS EU ENFRENTO, PQ NÉ, GOSTO DESSAS DUAS LAZARENTAS E QUERO VÊ-LAS FELIZES!!!!

MAS JÁ ADIANTO: TÁ TODO MUNDO FUDIDO NA MINHA MÃO QUANDO EU CASAR. JURO POR DEUS, VOU FAZER QUESTÃ DE TER UNS 18 PADRINHOS (TODO MUNDO QUE ME CONVIDOU COMO MADRINHA, VAI TER QUE SER MEU PADRINHO E ME DAR PRESENTES BONS), VOU CASAR NO PIOR DIA, NO PIOR LUGAR, NO PIOR HORÁRIO.
E AI DE QUEM NÃO FOR NA PARADA. EU SÓ DIGO ISSO. CÊIS TÃO TUDO LASCADO, NEGADA!!!!!!

domingo, 26 de setembro de 2010

Choro doído

Fazia tempo que não chorava de maneira tão doída. Sexta eu chorei desta forma.
Doeu na minha alma, no meu coração.
Calou minha voz, meu esforço e minha esperança.
Eu tentei, mas não deu.
Doeu.
Eu respirava longamente aquele ar de um choro que tinha acabado de ir embora.
Acordei com os olhos duros de tanta água que passou por lá.
Mal conseguia abrí-los, mas despertei para o "seja o que Deus quiser".

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

I'M AT PQP!

Eu queria entender pra quê raios serve essa porra de Foursquare. Quer dizer, eu entendo pra quê serve mas eu quero dizer que não entendo a finalidade. Que saco isso!
Nêgo pode muito bem escrever apenas "TÔ NO BAR DO CASQUETI!", mas não, quer usar esse aplicativo inútil pra dizer "I'M AT CASQUETI'S BAR (Rua que alaga, 110, Parque Novo Mundo, São Paulo). Pra quê? Pra ficar mais glamuroso ou só pra avisar um sequestrador de plantão [e antenado] que você tá ficando bêbada e que ele pode te assaltar, esquartejar e te picotar quando quiser? Gente, alô, né?!
Quer escrever onde vai, ok, mas escreva, use as palavras do alfabeto. Não precisa baixar programinha, fazer "check-in" pra entrar no Bar do Casqueti, né?! Deixa isso pra você fazer em um aeroporto que é mais adequado.
Aí eu leio a respeito do tal programa na internerds e fico sabendo que ele tem lá sua utilidade. Entre as mais normais, salvam-se duas opções que cito abaixo [sim, pq usar um programa que tem o intuito de te fazer "prefeito" de um bar, eu me recuso a comentar]:

1) Encontrar seus amigos
Cara, na boa. Se eu quero encontrar um amigo meu, eu passo a mão no diacho do telefone e falo: "Alô, onde cê tá?" e acabou! Não preciso entrar em aplicativo, fazer "check-in" e os caraio.

2) Dar dicas de lugares bacanas pros seus amigos
Outra vez, eu posso pegar o telefone, mandar um e-mail ou um torpedo dizendo: "Oi amigo, vai lá no Bar do Casqueti que tem saidera a rodo e o dono é meu amigo e aceita fiado!". Pronto.

Tem gente que usa o poder da tecnologia só pra atrasar e fazer graça. Acho esse Foursquare muito Zé Graça pro meu gosto, isso sim. Não tem necessidade de usá-lo desta forma e assumo aqui: fico puta quando vejo alguém usar essa merda pra dizer que tomando uma breja.

Ps.: Perdão aos amigues que usam e gostam do programinha, mas é que pra mim, não rola. E como o blog é meu, escrevo a parada, assumo e assino. "Eu tô com o microfone, é tudo no meu nome" - já diria Rappin Hood, sujeito hómi!

Crase musicada

Sabe o quê eu aprendi?

“Vou à, volto da, crase há. Vou a, volto de, crase pra quê?”

Aaah gente, é uma frasesinha tola que nos ajuda a aprender a usar crase. Não é um poço de utilidade?

domingo, 19 de setembro de 2010

Tirando uma ondinha

Na sexta-feira, um mendigo usando um óculos 3D fala pro Bruno no semáforo:

- E aí, tem coragem de me emprestar um real até nunca mais? É pra comprar cachaça mesmo!

Morri, né?!

***

Hoje, meu Pai me fala ao telefone:

- Filha, hoje eu fiz uma promessa pro São Paulo ganhar do Parmera e como deu certo vou ter que pagar.
- Ai Pai, não acredito. O quê você prometeu?
- Prometi que se o São Paulo ganhasse, eu iria fazer "mô-mô". Minha mulher torceu que nem louca pro nosso time hoje. Agora dá licença que eu tenho que cumprir o que prometi...


***

São pessoas assim que sabem curtir a vida, na minha humilde opinião.
A diferença do meu Pai pro mendigo é a sanidade. Meu pai fala todas essas besteiras em sã consciência e com a maior naturalidade, como se eu fosse um amigo que bebe com ele às sextas-feiras no Casqueti*.

* O Casqueti é onde meu Pai faz o happy hour dele. Fica no Parque Novo Mundo. Só gente boa!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

MEMEME!

Vi a galere da internerds fazendo MEMEMES com o tema "Nove coisas sobre mim" e decidi entrar na dança. Mas pra ser diferente e arredondar a coisa, fiz 10.
Taí a diversão do final de semana.

1) Sou pessimista, tensa e sonho com trabalho
É, bem por aí. Quando algum job, campanha ou pauta me aflige, eu surto. A última vez que fiquei tensa com trabalho foi foda. Tive que ceder e ir até o hospital pq não aguentava de dor na boca do estômago. Era gastrite nervosa. Não sei pq me deu aquilo mas parece que eu pressenti que algo ruim aconteceria. Dias depois, fui demitida. Ou seja, ter gastrite nervosa por causa de trabalho é sinal que merda vem aí...

2) Não sei falar BICARBONATO
É isso, gente. Não consigo falar essa palavra corretamente. Podem mandar eu soletrar, repetir devagar e o cassete todo, mas fiquem cientes que mesmo assim não vai rolar.

3) Tenho medo de agulhas
Ah vá, isso todo mundo sabe, né?! Mas o pior é que eu tenho uma tatuagem (e não é de PLOC não, minha gente!!) Sim, tatuei um símbolo japonês embaixo da nuca que significa MÃE. Não senti dor nenhuma e até cochilei. A única exigência que fiz ao tatuador foi que me deixasse deitar. Eu não ia conseguir ficar sentada, arcada enquanto ele me riscava. O cara reclamou, disse que comigo deitada de bruço a coisa podia sair feia e blablablá mas eu só disse: SE VIRA! E assim foi.

4) Não lembro de momentos ruins
Quer dizer, é mais ou menos isso. As coisas ruins da vida, aquelas que me deixaram muito triste e chateada são deletadas da minha mente. Não me pergunte como mas certas coisas eu esqueço automaticamente. Por exemplo, quando perdi minha mãe, passei dias e momentos horríveis, doídos, tristes mesmo, mas hoje, quando páro pra pensar, não consigo me lembrar de muitas coisas. Parece que aquele tempo não existiu e eu mal consigo calcular essa dor direito. É muito estranho!

5) Sou fresca pra comer
Isso também não é segredo. Feijão, peixes, verduras, legumes, caldos e condimentos em geral não entram em minha boca. Mas tem um detalhe: eu como tomates mas se eles forem verdes, nem pensar.

6) Já peguei na mão do Roberto Leal em um show
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA. Só isso. Basta.

7) Queria ser jogadora de vôlei...
... Mas só tenho um metro e meio. Quando era adolescente, acordava de madrugada só pra ver o Grand Prix, a Liga Mundial, qualquer coisa... Minha diversão era ver a Marcia Fu dar tapa na cara das cubanas e meu tesão era ver as pernas do Giovanne Gavio. Sempre curti vôlei e já até fiz parte de fã-clubes relacionados ao tema. Sou tempo em que se mandava carta por correio pra se cadastrar em um clubinho.

8) Já fiz gol de calcanhar
É verdade isso. Quando tinha uns 13 ou 14 anos, jogava futebol no time do Sindicato dos Metroviários. Em uma bela tarde de sábado, minha amiga Juliana Toiça levantou uma bola impossível de se buscar dentro da área e eu só dei um toquinho de calcanhar. Encobri o goleiro e corri pro abraço!

9) Adoro desmaiar
Já desmaiei em drograria, hospital, escola, cemitério, ótica, metrô e em ginecologista. Sou uma fortaleza. Mas a cena mais clássica será contada aqui, agora: Com uns 7 / 8 anos, estava eu na Praia Grande com meu pai e minha mãe de férias. Sabe lá Deus pq, quis colocar um maldito tererê no meu cabelo. Apenas um enfeitinho num pequeno chumaço de cabelo, coisa de minutos. Sentei na cadeira da barraquinha e estava ansiosa pelo barato quando, de repente, vejo a pessoa responsável por fazer tererê nas crianças se aproximando de mim com uma tesoura na mão. É óbvio que ela ia cortar uma pontinha do meu cabelo pra fazer a parada corretamente mas eu, louca do brejo, pensei que a moça iria abrir um buraco na minha cabeça pra enfiar aquele tererê ali dentro. Conclusão: desmaiei! Cai de costas no chão da feirinha da Praia Grande. Desmaiei com medo de fazer um tererê, tá bom prá vocês?

10) Já botei sal na batida de limão
HAHAHAHAHA, igual a música do Zeca Pagodinho, gente! Mas foi sem querer. Fiz a batida na maior das boas intenções e minha prima Amanda bebeu com gosto. Fui jogada na piscina de ponta cabeça por causa disso. Todo mundo achou que foi de propósito. Muita mancada! [E naquela época eu nem sabia nadar, vejam só...]

Quis finalizar em grande estilo, falando algo que não tem nada a ver mesmo pq essa sou eu.
Sei que esse post não acrescentou em nada na sua vida mas é isso aí. Essas são as 10 groselhas sobre mim que duvido que alguém tenha conhecimento.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

"500 Dias com Ela"

Assisti o filme "500 Dias com Ela" e achei sensacional a história, a trilha, os atores, a narrativa do filme e o desfecho. Quem nunca viveu a fase do Tom, de se apaixonar loucamente e sofrer com o fim de uma relação? E também quem nunca teve seus dias de Summer, de estar com alguém que não é ideal prá você?
Tom é louco por Summer, uma garota diferentona que curte Smiths, tem Ringo Star como seu Beatle preferido e ama a canção Octopus Garden (assumo, eu também adoro essa música). Eles começam a ter um teretetê mas a garota deixa claro logo de cara que não quer um compromisso sério. Mesmo assim, Tom se apaixona a cada vez mais.
Verdade seja dita: quem gosta quer estar junto, quer namorar e firmar compromisso, sim. Mas também tem o outro lado: de nada adianta sua sinceridade em dizer que não quer um compromisso ou um namorado pq quando a outra pessoa cria expectativas, só o fato de estar junto já faz com que o apaixonado da relação suba ao céu cada dia mais e mais.
É difícil viver os dois lados da coisa. Eu sei bem como é. A hora mais marcante do filme foi o diálogo que eles tem quase no final do filme. O casal se encontra por acaso em um jardim, ele ainda busca respostas que justifiquem o fim e ela, totalmente avessa à compromissos, aparece com uma aliança de casamento no dedo.

Eis o diálogo que me embrulhou o estômago:

Ele: Você nunca quis ser a namorada de ninguém e agora é a esposa de alguém...
Ela: Me surpreendeu também.
Ele: Acho que nunca vou entender. Quer dizer, não faz sentido.
Ela: Só aconteceu.
Ele: É, mas é isso que não entendo. O que só aconteceu?
Ela: Só acordei um dia e soube.
Ele: Soube o quê?
Ela: O que eu nunca tive certeza com você.

Cara, é isso. Não tem explicação, simplesmente acontece. A gente tem que ter a certeza, mas quando não tem, tchau. É triste, dói, mas é melhor tentar se curar do NÃO do que viver na ilusão do SIM, daquele sentimento horroroso de ter alguém pela metade.
É muito bom se curar de um NÃO, mesmo que demore anos. É muito bom ter a certeza de que não era pra ser e que, apesar de muito choro e sofrimento, a ferida sarou, você pode voltar a viver em paz, sorrir e dividir novas [e melhores] experiências ao lado de alguém que te quer por completa.

No filme, depois de ouvir a direta mais direta de sua vida, Tom insiste. Summer termina brilhantemente bem.

Ele: Sabe o que é uma droga? Perceber que tudo em que você acredita é mentira, é uma droga.
Ela: O que quer dizer?
Ele: Sabe, destino, almas gêmeas... Amor verdadeiro e todos aqueles contos infantis... Besteira, você estava certa, eu deveria ter escutado.
Ela: Não.
Ele: Sim, por que está sorrindo?
Ela: Tom... [...] Eu estava sentada numa doceria lendo Dorian Gray, um cara chega pra mim e me pergunta sobre o livro e agora ele é meu marido.
Ele: É, e daí?
Ela: E daí que... E se eu... tivesse ido ao cinema? Ou tivesse ido almoçar em outro lugar? E se tivesse chegado 10 minutos mais tarde? Era... era pra ser. E eu só ficava pensando... “Tom estava certo.”
Ele: Não...
Ela: Sim, eu pensei... Só não era sobre mim que você estava certo.

É, a vida [às vezes] dá dessas...

11:11 - faça seu pedido

Eu sou vítima do 11:11. E eu não estou falando do número do candidato Paulo Maluf.
Não sei pq raios mas toda vez que olho no relógio pela manhã são 11 horas e 11 minutos. Deve ser coisa boa, né?! Assim espero. Todo mundo diz que dá sorte olhar no relógio e ver as horas desta forma, tipo 2h22, 5h55 e quando isso acontece, a gente tem que mentalizar algum pedido que queira realizar.

No começo isso acontecia mesmo. Eu olhava as horas e logo mentalizava algo que queria muito conquistar. Tudo bem que cada hora eu pedia algo diferente (foco nunca foi o meu forte) mas pelo menos eu mentalizava a parada e tals.
Hoje em dia eu fico tão surpresa de ver essa cena se repetir inúmeras vezes que já nem consigo pedir porcaria nenhuma. Que sina é essa? Pq eu sempre olho pro relógio do computador às 11:11?

Os amigues que me seguem no twitter são prova do que eu estou falando. Quase todo dia eu escrevo a frase do título deste post lá na rede.

Eu queria pedir ajuda pq eu estou com muito medo disso tudo.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Basicamente, é isso!

Tive rinite na sexta-feira, o dia todo.
Fui para um curso de 8hs no sábado carregada pelo Divino Espírito Santo.
Andei de gincho no domingo à tarde.
Estou instalada na casa do meu namorado por conta da obra em minha residência.
A Melissa fodeu meu pé hoje, segunda-feira, logo cedo.
A mesma Melissa lascou o esmalte vermelho da unha do meu dedão do pé direito.
O dinheiro do meu freela não está na minha conta desde 30/08.
O conserto do meu carro custou 180,00.
Um novo calçado para poder voltar pra casa custou 80,00.
Tenho um desafio para vencer no trabalho e não sei quem pode me ajudar.

Desejo uma ótima semana a todos e, se possível, uns diazinhos melhores para mim.
Obrigada gente!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Pior que tá, fica!

Sabe o quê é pior do que ter rinite e espirrar sem parar por causa da reforma na sua casa?
Pior é ficar com rinite, espirrando sem parar e não poder ficar na sua própria casa. E tem mais: ter rinite, espirrando sem parar no escritório e aturar seu chefe FUMANDO na sala ao lado.
É, fumando em ambiente fechado. O cúmulo!
Que sexta-feira dos inferno!

sábado, 4 de setembro de 2010

Dialetos do Seu Toninho

Meu Pai passou aqui em casa nesta noite de sábado e estava contando que brigou com a mulher. Narrava a história com aqueles palavreados únicos que só ele tem:

- ... Aí ela saiu de perto de mim e foi trabalhar, virada nos seissentos. Abaixou a cabeça e atravessou a rua feito um boi nelore e eu fiquei lá, parado, feito um dois de pau!

Cêis entenderam, né? Eu saquei tudinho!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Tudo travado!

“Ando devagar pq já tive pressa...”, não gente, não é por isso, não. Ando devagar pq eu estou travada. Isso mesmo, tra-vei!
Hoje pela manhã, enquanto dava passos largos na estação Carrão pra compensar meu pequeno atraso, senti uma leve pontada ou fisgada, sei lá, na coxa, perto do joelho. Será que é o sapato? Será que é meu jeito de andar? Ou só meu corpo se queixando do ócio?
Não sei o que é ao certo, mas é engraçado que eu só sinto essas dores no corpo durante a semana. Aí chega sábado e domingo, eu tô linda e posso até acordar cedo sem reclamar muito.
Aí eu chego no trabalho e me deparo com um texto sobre DOR CRÔNICA para produzir e... travo! Como pode, né? Um assunto tão amplo me deixar sem palavras, sem forças, sem foco pra pensar e escrever. Sei lá o que eu fiz, juntei meia dúzia de palavras daqui com palavras de acolá e SHAZAM, saiu.
Mas olha, levei quase um dia todo pra fazer um texto que merecia nada mais do que uma hora de minha atenção. Não sei o pq disso.
Minha cabeça fervilha e eu não consigo freá-la. Imagino trocentas hipóteses pra buscar o equilíbrio e não encontro. Me fecho, penso, analiso e não chego em lugar nenhum. Nada me agrada. Tudo me agrada. Quero isso agora, depois não quero mais. Ouço alguém dizer que isso é bom, então, eu quero. Aí ouço outro falar que é ruim, penso bem e não quero mais. Oi, sou influenciável e beiro a indecisão constantemente e isso não me deixa feliz.
Quando vivo uma rotina alucinante de pautas e follows, fico doida e peço pra que Deus me dê sossego. Aí, quando vivo num marasmo, num banzo sem fim, me ajoelho e peço a loucura em dobro. Vai entender...

Hoje estava num desânimo, num peso, que só por Deus. Não sei o que quero pra minha vida, a não ser dinheiro. Isso eu sei bem que quero.
Mas além da maldita moeda de troca eu quero ser feliz, fazer algo que goste de verdade em uma área que não me exija horários, crachá e cara feia por causa de atrasos. Será que é pedir muito nesse mundo tão moderno de hoje?

Além disso tem a casa em obra, o médico que eu quero ir, a academia que eu quero voltar a fazer, o freela que precisa de atenção e a minha conta com apenas R$ 28,00.
Bom, pelo menos acho que dá pra almoçar amanhã e quarta, mas sem poder beber um suco, é claro!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Falou pouco mas falou bo-ni-to!

Eis que recebo um torpedo:

Oi bebe to com saud te amo babo

Aí eu páro e penso: Será que eu recebi um sms do Saramago? Sim, pq sem ponto final e sem vírgula, só pode ser ele, né?!
Mas não, a pessoa que me escreveu é só um conterrâneo do escritor. Um parente distante, eu diria. A mensagem é do meu Pai, aquele ser de luz.

Tem como não amar?

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

SOBERANO

Aí você pára e analisa toda a história de um time com apenas 74 anos mas que conquistou muito mais títulos do que qualquer outro clube do Brasil e chega a uma conclusão: Aconteça o que acontecer, esteja onde estiver, nós somos soberanos. E não adianta falar que é arrogância ou soberba de São Paulino, não. Como já disse o nosso eterno mestre MURICY: Isso aqui é trabalho, meu filho!



O documentário narra as vitórias do São Paulo em seis campeonatos brasileiros. Além disso, traz depoimentos de nomes marcantes na história do time como Rogério Ceni, Muricy Ramalho, Chicão, Careca, Daryo Pereira, Telê Santana, Raí, entre outros.
O longa tem direção de Carlos Nader, diretor do filme “Jean Charles”, roteiro de Maurício Arruda e trilha sonora de Nando Reis.
Estreia prometida para 17/09/2010.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Vossa Excelência!

Eu odeio política.
Quer dizer, deixa eu refazer a frase: eu odeio o cenário político do nosso País. Odeio, destesto, tenho raiva, nojo e ignoro.
Na faculdade, eu até gostava de estudar Política e Economia com o Lanzoni de boina. Adorava ler sobre a história do Brasil, da luta pelo direito ao voto e saber que pouquíssimos presidentes fizeram algo que realmente prestou para o nosso país. Dos bons, eu me lembro apenas de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. É claro que existem controvérsias com realação aos dois, afinal, ninguém foi 100% bom, 100% honesto e 100% eficaz.
Nosso País tem inúmeros problemas e isso não vem de hoje. É pra lá de complicado arranjar alguém capaz de resolver todos os problemas – mesmo que os básicos – que a população enfrenta: saúde, educação, moradia, transporte e etc...
Acho que a descrença brotou em mim no ano de 1992 quando com apenas nove anos de idade ouvi pela primeira vez a palavra impeachment e vi a galera saindo nas ruas com as caras pintadas e querendo tirar o atual presidente do poder. Fernando Collor de Melo é o nome do rapaz. Meteu a mão no povo até não poder mais. Posava com carinha de santo, era metidinho a mauricinho e fez muita gente quebrar com maldita inflação.
A roubalheira sem limites não é mérito apenas dos presidenciáveis. Prefeitos, governadores, senadores, deputados, vereadores, ninguém presta. Não quero generalizar, é claro que existem pessoas corretas, que trabalham pelo melhor, mas é que até agora ninguém achou UM. (Vale o Suplicy citando Racionais MC’s no plenário?)

2010 é ano eleitoral. Temos que votar para presidente, governador, senador e deputado estadual e federal. Mas só se vê palhaçada por aí. Ninguém leva o Brasil à sério, nem os candidatos e nem a própria população.
Eu acho um SACO ver gente metendo o pau no Serra, outro falando da Dilma, mas o que ninguém percebe é que todos eles são iguais. IGUAIZINHOS. Odeio ler gente que fala que defende tal partido sendo que nem os próprios candidatos são fiéis a uma ideologia. Marina Silva, por exemplo, era do PT, hoje defende o PV. É um samba do crioulo doido! É claro que todo mundo tem o direito de fazer parte do grupo que melhor se identifica, mas existem candidatos que, a cada nova eleição, está em um partido diferente. A Marina foi só um exemplo (melhor eu me explicar pq daqui a pouco surge algum candidato verde deixando algum comentário xucro e anônimo, é claro!).

Aí, você decide parar pra analisar as opções de voto que existem por aí. Marta Suplicy, a loca do botox, já foi prefeita de São Paulo e apelidada carinhosamente de MARTAXA. Criou taxa até pra coleta de lixo na cidade. Depois, em outra ocasião assumiu o Ministério do Turismo e, em meio a crise que acontecia no setor aéreo, mandou a população “relaxar ‘ gozar” nos aeroportos aguardando seu vôo sair com horas de atraso. Tá jóia, né?! Pois bem, ela tá na pixxta disputa de novo, desta vez, como senadora. E quer saber? Vai ganhar. Está liderando as pesquisas.

O Collor já voltou a se eleger também, o Maluf não tem a ficha limpa e também tá solto por aí e assim a gente vai vivendo.

Você entende? Não, nem eu. Mas sabe a diferença entre mim e esse bando de gente engajadas em mudar a história do Brasil? Eu não procuro entender.
Sério mesmo, nem ligo pra isso. Por mim, anularia SEMPRE os meus votos. Sei que muitos de vocês vão dizer que se o povo não se dedicar e não buscar novas experiências, o País não vai melhorar nunca, que o voto é um direito nosso, que devemos honrá-lo e blábláblá wiskas sachê... Mas gente, é impossível exercer nosso poder de escolha com essa tropa do mal que nos oferecem como opção.

É tudo um ciclo. Começa com os políticos, um bando de corrupto implorando seu voto na TV, criando jingles e campanhas repletas de sorrisos e esperanças para iludir o eleitor.
Até humorista, ex jogador de futebol, ex lutador de boxe e cãozinho dos teclados surgem, do nada, querendo fazer parte da palhaçada e abocanhar alguma vaga na política. Tiririca, Marcelinho Carioca, Vampeta, Popó e Frank Aguiar são alguns exemplos.

Aí aparece o cidadão, o trabalhador brasileiro que se identifica com o slogan do Tiririca, por exemplo: “VOTE TIRIRICA, PIOR QUE TÁ, NÃO FICA”. Ou então: “TITICA POR TITICA, VOTE NO TIRIRICA” e pronto, está feita a merda.

Fala sério, né?! Isso é Brasil, gente.

Agora baixaram uma lei aí proibindo os programas de humor a fazer piadinhas que envolvam os candidatos políticos. Fala sério, né?! São eles mesmos que fazem o maior humor, protagonizando as cenas mais hilárias da história no horário eleitoral e mandam um “cala a boca” para quem realmente vive disso. É fora de série! Isso até onde eu saiba se chama CENSURA e já foi vencida há anos...

Por isso eu deixo claro aqui que eu odeio, detesto, tenho raiva, nojo e ignoro qualquer manifestação política nesse meu País. Não é pq eu sou uma cidadã que não exerce o meu dever, mas sim pq é deprimente, é lastimável assistir tanto roubo, fraude e palhaçada e ainda dar voto pra esses caras. É o fim da picada.
A população deveria se unir e, no dia da eleição, VOTAR NULO, ou então, faltar, não exercer a democracia e dar as costas pra tudo isso. É isso que eles merecem, o nosso desprezo, o nosso NÃO. Eu fecharia fácil. Alguém topa?

Deixo aqui uma canção que fala exatamente tudo isso que citei acima. É meu hino contra a política do Brasil. Enquanto vocês se matam defendendo candidato, eu apenas grito: “BANDIDO, CORRUPTO, LADRÃO...”




Obs:. Sei que muitos de vocês vão dizer que eu sou uma sem moral, pq prego que sou Malufista e tals... Saibam que tenho uma enorme simpatia pelo Dr. Paulo Salim Maluf por tudo que ele fez quando foi eleito e pela figura lisa que ele se tornou. Maluf é uma caricatura, gente. É o ser humando mais cínico que já vimos e é justamente isso que eu admiro nele. A capacidade de aparecer na TV, mostrar a cara, sorrir e pedir voto.
É óbvio que ele faz parte do bando de safados, eu sei disso. Fiquem tranqüilos quanto ao meu voto, ok?! Hahahahaha!