quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Continuando o episódio do hospital na segunda-feira….

(Sim, pq eu sou dramática e exagerada e gosto de falar das minhas experiências em hospitais pq eu sou a maior cagona do Brasil)

Olha, é muito ruim ter esses probleminhas de mulher, sabe? Essas coisas que só quem É, sabe exatamente o que eu estou dizendo. E nessas horas bate aquele mini-desespero, aquelas dúvidas, você tem vontade de fazer uma série de perguntas p/ alguma pessoa mais velha que possa te acalmar, te confortar e dizer que “não é nada demais” e que você “não vai precisar tomar injeção” e algo do gênero.
E quando eu tenho algum problema do tipo, eu sinto MAIS falta ainda da figura materna dentro de uma casa. De alguém pra te acompanhar na consulta, de poder entrar com você na sala do médico, de se preocupar com o horário do seu remédio e etc...

Eu não posso reclamar dos “meus homens”, não, jamais. O Paizinho Lindo me levou ao hospital, resistiu ao sono da madrugada, me levou na farmácia 24hs pra comprar remédio na segunda-feira e ontem a noite foi me visitar.
O Coquinho Lindo também cuida de mim e ficou ligando e mandando torpedo de hora em hora enquanto estava no hospital pra saber se tinha alguma novidade. E depois, mesmo mancando, de muleta, correu no banheiro na madrugada de terça-feira pra me pedir calma, pra respirar e relaxar na hora em que estava no banheiro chorando pq o xixi saia queimando tudo por dentro.
Ou seja, estou amparada, eu sei que estou, mas os meus homens não têm xixa. Fato! E eu quero desenvolver sobre o assunto com quem as possua.

Mas nesta visita ao hospital, eu tive uma companhia feminina (sim, sim – sorriso no rosto). Não foi da minha tia, nem da minha prima, nem da Kelly Schwarz (que falou comigo por MSN e, assim que descrevi meus sintomas, ordenou que eu fosse ao hospital naquele mesmo instante), não era nenhuma destas. Foi da minha BOADRASTA.

[Parênteses]
Já disse aqui que meu Paizinho Lindo Fanfarrão casou de novo, né?! Pois então, casou. Eu no começo fiquei meio apreensiva, achando que essa seria só mais uma aventura desse pisciano sem vergonha que atende pelo codinome de Toninho. Mas não. A coisa é séria. É de verdade.
A Noemia, minha Boadrasta é ótima. Pro meu pai e pra gente. Cuida, abraça, beija, ora, presenteia, liga, conversa, chora e cozinha pra gente. O último item é de chamar bastante atenção, diga-se de passagem. Meu Pai está muito feliz com ela e nós também.

Pois bem, a Boadrasta ficou toda preocupada assim que eu liguei na casa deles pedindo para me levarem ao hospital. Logo no “Alo” a Boadrasta já lançou: “Que voz é essa? O que você tem?”. Coisa de mãe mesmo, sabe?!
Fui ao hospital ouvindo ela falar que não era nada, que eu não ia tomar injeção e nem ficar internada, que no máximo iria fazer um exame de urina, tomar antibiótico e só. Falou tudo do jeito que eu queria ouvir.
Ela entrou comigo na consulta, me esperou mijar no potinho (lógico que ela não entrou no banheiro comigo. Também não avacalha, vai!), esperou quase 2h pro resultado sair e entrou comigo na salinha pra ouvir a confirmação de tudo que ela já havia me dito, só que desta vez, pela boca do médico. Fez perguntas que só quem é mãe faz e de lambuja pediu um atestado pra eu entregar no trabalho, só que aquele RAPUNEIS não quis dar.

Tudo bem. Só o fato de ter a companhia dela ao meu lado valeu por tudo. De verdade. Não era a minha mãe, mas era como fosse. A preocupação e o cuidado foram típicos e desta forma eu pude sentir um pouquinho da presença dela. Daquela que não está mais aqui fisicamente, mas que, mesmo lá de cima, me acompanha e me tranqüiliza de alguma maneira. Nem que seja mandando alguns anjos especiais para fazer a função que deveria ser dela. Eu tenho total certeza disso.

Obrigada Mamãe(s)!


“Minha flor, quero que toda vez que você olhar esta bruxinha, você se lembre que nós te amamos muito. Um beijão, estou com saudades. Deus te abençoe. Sua Boadrasta Noemia”. 08-09-09

(bilhetinho que recebi dela junto com um presente para colocar no meu futuro carro)

4 comentários:

  1. Nina, você sabe que a mamãe aqui também tá à disposição da filha mais velha, né? Quando precisar, é só chamar, pô. Afinal, não basta ser mãe, tme que participar.
    Te amo!!!!!

    ResponderExcluir
  2. roberta nina galisteu

    viu como é bom agente ser aberta do jeito que somos (nos aquarianas quero dizer!!).
    damos chance para pessoas especiais entrarem em nossas vidas e que felicidade quando elas realmente são boas ne?
    ESPERO QUE VOCE JA ESTEJA BOAZINHA VIU/
    SAUDADES

    ResponderExcluir
  3. Kandy, Kandy...oh xixa danada essa hein, afe!!!

    ResponderExcluir
  4. Já falei: bebe agua!!!!rs.
    Você sabe que eu sou grande frequentadora de hospitais (ou fico ruim do rim ou seu irmão acaba com o joelho dele), então precisando é só chamar!rs.
    Ahhh, a Noemia é mesmo uma boadrasta. Ponto pra ela.

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!