quinta-feira, 9 de julho de 2009

Eu, amiga-irmã, miojo, lembranças e Roberto Carlos


Putz, é hora de almoçar. Bora preparar alguma coisa pra comer. 
Olha a geladeira, olha o armário, olha pra cima, pra baixo. Miojo? Uma boa! Vamos lá, três minutos e tudo pronto.
Epa, peraí, miojo, não? Você passou mal ontem, esqueceu? Melhor não comer isso. Mas a água já ferveu e você já despejou a massa lá dentro. Foda-se. Você já melhorou um pouco. Por fora, talvez, mas e por dentro?

Dia anterior cansativo. Viajem apertada, almoço não caiu bem. Computador. Trânsito. Busão, metrô e busão. Padaria, banco, drogaria. Puxa, estou exausta!
21hs. Um banho sempre renova. E ainda hoje tem balada de aniversário da amiga-irmã da sua vida. Importantíssimo.
Mas minha vista embassa, meu corpo amolece, minha boca não pára de salivar. Cabelo molhado e a cabeça latejando. O estômago roncando, ou melhor, gritando, dando sinais que você não está bem. 
O fígado, a vista, a cabeça, o cabelo molhado e a sua amiga-irmã? Meu Deus... 
Chora. Chora que faz bem. Chora que lava a alma. Mas pára logo pq isso faz sua cabeça doer mais ainda.
Dorme.

Acorda. Tá bem? Não sei. Me sinto mole, sem ânimo.
O que eu quero é ficar sozinha. Não quero sair. Mesmo pq se eu tiver que sair eu devo encarar aquele velho trajeto busão + metrô + busão. 
Não faz isso comigo, por favor! Passo por isso cinco vezes duas por semana. Não aguento mais. 

Bom, volta pro almoço de hoje. Miojo na panela e som na caixa.
A pedida da vez? Roberto Carlos.
É, só posso estar doente mesmo. De corpo ou de alma, sei lá. Mas algo está errado.
Nunca a voz dele me fez tão bem. Ele tá aqui berrando "É preciso saber viver" e eu tô viajando.
Pq isso? Eu sei. 
Eu quero te resgatar. Quero. E é assim que eu consigo.
Como é ruim ficar sozinha. Olhar pro porta-retrato e ver vocês dois, juntos, começando a vida. E hoje tudo tão diferente. Tão diferente do que eu imaginava ser um dia. "Detalhes de uma vida, histórias que eu contei aqui".

Almoça na sala. Sozinha. Só a voz do tal do Rei me acompanha.
"Só ando sozinho e no meu caminho...."
Hoje é feriado. Poderia ser melhor. Poderia ter uma companhia, um carro pra sair por aí, ver seus amigos, seus primos, ir no dentista, sei lá....

A verdade é que estou preocupada comigo. Anemia? Desânimo? Cocaína? Ou só tristeza mesmo?
Meu, miojo! Que bosta isso! E ainda vai lavar a louça... que deprimente.

Vai se distrair, meNINA. Vai fazer alguma coisa. 
Põe um DVD aí e assiste qquer coisa. Posso tentar, mas acho que vou dormir no meio. Certeza que vou.
A única vontade que me deu foi de escrever. De relatar esse momento. Eu, amiga-irmã, miojo, lembranças e Roberto Carlos. Meu Deus, quem diria, Roberto Carlos.

O que eu queria mesmo era outra companhia. 
Sei lá se minha tristeza vem daí. Não sei mesmo. Ás vezes tenho medo de culpar minhas tristezas e solidão por essa falta que ela me faz. Mas faz falta mesmo. Não é mentira.
O pior é saber que essa falta não vai sumir. Nem com o passar do tempo. "Além do horizonte deve ter algum lugar bonito pra viver em paz".

E a amiga-irmã? Como fica?
Pq eu tinha que passar mal justo ontem? Não era só cansaço. Se fosse só isso, eu me arrastava. Mas não era só isso. Era mal-estar. 
Eu chorei tanto. Chorei, até dormir.

Nossa, tô misturando todos os fatos. Está tudo a flor da pele e não é TPM.
Não sei o que é. Eu tenho tudo. Tenho amigos, tenho emprego, tenho família, tenho namorado, tenho o que eu quiser. Quer dizer, quase. Quase tudo que eu quero.
Eu trocaria tudo por ela. Pra não me sentir sozinha. Pra poder ser moça e poder falar de absolutamente tudo, sem restrição.

Daria tudo para ir ao mercado com papai e mamãe. Daria mesmo. Minha vida. Meu carro que eu ainda nem tenho!
"Olha eu te amo e você sabe. Sou capaz de tudo se preciso, só pra ver brilhar de novo no seu rosto esse sorriso".
Como seria? Se fosse tudo diferente? Nós seríamos parceiras? Eu acho que sim. Acho que nos ajudaríamos muito. Eu te ajudaria mais do que tudo.

Acho que eu vou parar. Vou desligar o Ipod. Vou me desligar.
Como? Se eu sair daqui e deitar no sofá, eu vou começar a chorar. Eu tenho medo de esquecer. Tenho mesmo. Medo de esquecer nossos momentos. Não pode. Não quero.
Que vontade de abrir esse baú e tirar todas as fotos antigas. "Quanto tempo longe de você, quero ao menos lhe falar..."
Olhar uma por uma, todos os dias. Pra não esquecer de nada.

Não precisa. Pára de ser boba.
Ela tá aqui. Tá aqui dentro.
"Vou telefonar dizendo que eu estou quase morrendo de saudade de você. Eu te amo, eu te amo, eu te amo".

2 comentários:

  1. Gata, nem sei o q dizer...mas psso tentar dizer..."Qto tempo long dec, quer ao mnos lhe falar, a dstância não vai impedir, meu amor de te encontrar!!!" Tô indo amanhã par o show de 50 anos do Roberto Carlos...então, se prepara, sábado te ligo na hora q ele cantar "EU TE AMO, EU TE AMO, EU TE AMOOOOOOO!!!!!"

    ResponderExcluir
  2. Tá faltndo umas letras q meu teclado tá com defeito!!!!!

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!