sábado, 20 de junho de 2009

Éééééééééééééé Muuuriiicyyyyyyyyyyyyy!!!!!!

Eu adoro futebol! Todo mundo sabe disso.
Na minha adolescência, joguei futebol de salão por quase 2 ou 3 anos. Jogar mesmo. De uniforme, meião, caneleira e óculos, claro! Hehehehe...
Sempre vivi rodeada de meninos. Na rua, na escola, no futebol. Colecionava figurinhas do Campeonato Brasileiro. Nunca completei um álbum, mas eu tinha o maior prazer em ficar jogando bafo com os moleques na hora do recreio.
Minhas amigas iam paquerar, fofocar e eu ia bater figurinha. Que delícia!

Vivi a vida toda assistindo jogos pela televisão. Tenho um pai que entende muito do assunto e um irmão igual. Lá em casa, domingo é sagrado! É dia de futebol. O dia todo. Campeonato brasileiro, alemão, inglês, espanhol,italiano. Não tem espaço pra mais nada.
Gols da rodada, debate bola, análises táticas e etc...

Futebol é, realmente algo que eu gosto, que me encanta, me deixa nervosa e me faz chorar.
Não sou fanática, não viajo para ver meu time jogar e nem faço parte de nenhuma torcida organizada. Mas nem por isso deixo de ser apaixonada por futebol e mais apaixonada ainda pelo meu time: SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE!

Meu pai e meu irmão sempre foram São Paulinos. Mamãe era Corinthiana (amava o Marcelinho Carioca!) e eu, quando pequena, não era tão ligada assim e confesso, ficava com muita dó de ver a mamãe torcer sozinha e ser zuada pelos homens.
Muitas vezes me compadecia e acabava torcendo para o mesmo time que ela. Mas, ao acompanhar o jogo entre Corinthians e Palmeiras, de sei lá de que ano, meu time do coração foi decidido.
Eu fiquei tão indignada ao ver o Neto cuspir na cara do juíz que não consegui me conter. Dali pra frente, decretei pra mim mesma que JAMAIS torceria para um time desse nível. Eu achei o fim, mesmo tão pequna, essa foi uma imagem que eu nunca esqueci, que me marcou e me fez assumir de verdade a torcida por um time que eu vivia escondendo (por compaixão pela mamãe).
Sendo assim, eu decidi sair do armário e vestir a camisa do São Paulo. E olha que eu já tinha a camisa!

Aí ferrou. A máfia foi formada! Toda a casa São Paulina e a mamãe Corinthiana, proibida de ver jogos conosco na sala pq era tão sortuda que se falasse que o Curintia ia fazer gol era batata. Ela era probida de torcer assumidamente contra o nosso time. Tirava um sarro aqui e ali mas não era nada muito declarado. A gente comadava!
Bom, escrevi tudo isso pra falar que essa escolha pelo meu time do coração foi a melhor decisão que tomei na vida! Eu pude acompanhar anos de glórias, de títulos, de crescimento do clube e comemorar (e aloprar muito com os outros) as inúmeras vitórias conquistadas pelo Tricolor Paulista.
Meu pai sempre me contava com orgulho das vitórias do passado, que ele mesmo presenciou, falava dos craques, me dizendo "Esse aí era bom, jogou no São Paulo e fez história". E assim eu fui crescendo.

Eu vi a conquista da Libertadores da América e o Mundial Interclubes de 1992 e 1993. Tinha entre 9 e 10 anos de idade. Acompanhei a fase do Mestre Telê Santana quando derrotamos o Barça em um ano e o Millan no outro. Aquele time imbátivel com craques que fizeram história em clubes estrangeiros como Raí, Leonardo e Cafú.
Vi craques jamais esquecidos, como o goleiro Zetti, o lateral Serginho, o volante Toninho Cerezo, o ponta direita Muller e assim vai...

Em 2005, conquistamos pela terceira vez a Libertadores e o nosso terceiro Mundial Interclubes. Que maravilha! Feito inédito, jamais conquistado por nenhum time. É só nosso! Batemos o Liverpool com um golaaaço do Mineiro!
Muitos jogadores despontaram no São Paulo nos últimos anos, como Rogério Ceni, Denílson (ah, eu tenho que falar dele, gente!), Kaká, Cicinho, Hernanes, Borges, Hugo, Danilo, Aloizio, Josué, Mineiro, Grafite, Luis Fabiano, Amoroso, Adriano, Alex Silva e etc..

Eu sempre tive títulos para comemorar, mas estes três últimos anos foram especiais. Foram inesquecíveis para mim. Não tivemos um time fabuloso, apesar de sempre revelar e destacar craques que ninguém presta atenção, mas fomos comandados por um profissional que, na minha opinião, é a cara do São Paulo!

Depois do Telê, muitos bons técnicos passaram pelo clube: Cuca, Parreira, Daryo Pereira, PC Carpegiani, Leão, Paulo Altuori... Mas em 2006, um cara entrou pra fazer história. O nome dele é MURICY RAMALHO!

Dedicado, sem meias palavras, fã de futebol (o cara entende como ninguém de esquema tático e presta atenção em jogadores que fazem a diferença), exigente e competente. Esse é o treinador ideal pro São Paulo, chega bem perto do nosso eterno Mestre Telê.
Sempre alvo de críticas, sempre cobrado, Muricy teve uma rápida passagem pelo time em 96 e voltou para o clube depois de quase 10 pra fazer história no São Paulo. E fez.
Fomos campeões do Brasileirão por três anos CONSECUTIVOS, em 2006, 2007 e 2008. Mais um feito. O ÚNICO TRI-CAMPEÃO BRASILEIRO DA HISTÓRIA E O ÚNICO TIME A SER HEXA.
Pra poucos, não?!

Em 2007 fomos campeões com três rodadas de antecedência.
No último ano, fomos campeões do Brasil correndo atrás de uma diferença de 11 pontos do líder. 11 pontos!

O que dizer? Que tivemos um time bem preparado, bem treinado, com competência, aguerrido e unido que mostrou resultados espantosos.
Tudo isso sob o comando de Muricy Ramalho que recebeu prêmios e foi reconhecido por todos.

Hoje, dia 20 de junho, acaba a era Muricy.
Eu estou prá lá de chateada por perdemos um profissional desse tipo. Mas acho que vai ser melhor pra ele (para nós, não sei).
São Paulino assumido, ele é uma pessoa que dá o sangue pelo time, pela torcida e pelos jogadores. Um técnico que sempre teve a confiança plena da direção do clube e conduziu a equipe do seu jeito, como sempre quis e que deu certo. Mas acabou!

Acho que ele precisa de descanso mesmo, como ele sempre dizia. Precisa mesmo passar mais tempo ao lado da família e parar de sofrer por futebol. Clubes interessados em seu passe não faltarão, mas o BURACO que ele deixará no time do São Paulo será difícil de ser preenchido.

Deixo o meu muito obrigada ao Muricy Ramalho pelos anos de dedicação e conquistas. A torcida, com certeza, reconhece o seu valor e jamais esquecerá dessa figura de boné, agasalho do Tricolor, dos poucos cabelos zuados na cabeça falha, de fala nervosa, estilo único, de uma dignidade e de um caráter admirável que o transformou em um ícone da história do meu Tricolor Paulista.

Não se pode ganhar tudo nessa vida. Tenho certeza que com a estrutura que temos, vamos nos organizar novamente e conseguir bons resultados em breve.
O São Paulo é tradição, tem uma torcida racional (muito mais que emocional) e essa galera do campo precisa de gás, de força de vontade e se espelhar no exemplo do professor Muricy.
Um cara pra lá de sensacional que fará uma falta gigante para o nosso time.

Valeu Muricy!!
Eleito o melhor técnico do Brasil por 4 anos.
A torcida Tricolor agradece e se despede com lágrimas!


2 comentários:

  1. roberta nina galisteu!!! você se superou nesse seu post. Perfeito gata e olha que não sou saopaulina kkk

    Mas sabe que eu tambem jogava futebol adorava tinhamos time tambem com uniforme, massagista, técnico (todos homens)só o time que era de mulheres.

    Em casa nunca foi assim como a sua a respeito de futebol fiquei até com inveja... Meu pai era corintiano, minha mãe e meu irmão palmeirense, eu santista e minha irmão sao paulina. Para não sair brigas nem falavamos de futebol.

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!