domingo, 17 de maio de 2009

Meu amor, meu bem, me ame

Meu amor, meu bem, me ame
Não vá pra Miami
Meu amor, meu bem, me queira
Tô solto na buraqueira, tô no buraco
Fraco como Galinha D'angola
Meu amor, meu amor, manda não vá pra Luanda
Não vá pra Aruba
Se eu descer você suba aqui no meu pescoço e faça dele o seu almoço
Roa o osso e deixe a carne
Meu amor, meu bem, repare no meu cabelo
No meu terno engomado, no meu sapato
Eu sou um dragão de pêlo, eu cuspo fogo
Não me esconda o jogo ou berro no ato
Meu amor, meu bem, me leve, de ultraleve
De avião, de caminhão, de zepelin

Meu amor, meu bem, sacie e mate
Minha fome de vampiro, senão eu piro
Viro Hare Krishna, Hare, Hare, Hare
Não me desampare ou eu desespero
Meu amor, meu bem, me espere até que o motor pare
Até que Marte nos separe

Meu amor ele é demais, nunca de menos
Ele não precisa de camisa de vênus
Ouça o que eu vou dizer, meu bem, me ouça
O que ele precisa é de uma camisa de força

Você é a minha cura se é que alguém tem cura. 
Você quer que eu cometa uma loucura?
Se você me quer, cometa!

Meu amor, meu bem, me ame - Zeca Baleiro



Um comentário:

  1. É um depoimento que estava na matéria sobre Generosidade, revista Vida Simples. Bonito, né?!
    Amooooo Zeca Baleiro!!!!

    ResponderExcluir

Senta o dedo aí!